MIKE PENCE PARA OS LATINOS: 'SE NÃO TEM CONDIÇÕES LEGAIS... NÃO VENHAM PARA OS ESTADOS UNIDOS'


Publicado em 01 Julho 2018

Compartilhe:      

MIKE PENCE PARA OS LATINOS: 'SE NÃO TEM CONDIÇÕES LEGAIS... NÃO VENHAM PARA OS ESTADOS UNIDOS'

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, defendeu a política de "tolerância zero" contra a imigração ilegal para o seu país e pediu para que as pessoas "não arrisquem a vida" tentando ingressar em solo norte-americano. A afirmação foi feita ao lado do presidente da República Michel Temer, durante declaração conjunta no Palácio do Itamaraty, após almoço de recepção oferecido pelo governo brasileiro. Pence esteve no Brasil no dia 26 de Junho, terça-feira, na primeira visita de alto nível de um representante do governo Donald Trump ao Brasil.

"Assim com os EUA respeitam suas fronteiras e soberania, peço que respeitem a nossa. Como diz o presidente Donald Trump, sem fronteiras não há país", afirmou, fazendo referência específica a países da América Central, como El Salvador, Honduras e Guatelama. De acordo com Pence, o fluxo de imigrantes ilegais oriundos desses países para os EUA foi de cerca de 150 mil pessoas nos últimos meses. Ele citou que o governo está empenhado na construção de um muro na fronteira do país com o México e que o Congresso dos EUA trabalha para "fechar os hiatos [legais] que ainda servem como atração às famílias vulneráveis".

Após a visita ao Brasil, o vice-presidente fará em reuniões importantes sobre imigração na Guatemala, El Salvador e Honduras.

As crianças separadas de seus pais imigrantes indocumentados nos EUA serão uma questão central na reunião dos governantes da Guatemala, El Salvador e Honduras com o vice-presidente Mike Pence, que ocorrerá na quinta-feira, depois que um tribunal dos EUA ordenou a reunificação das famílias.

O presidente salvadorenho, Salvador Sánchez Cerén, "pretende abordar nesta reunião, com ênfase especial, a situação das crianças migrantes que foram separadas de suas famílias na fronteira sul dos Estados Unidos", disse hoje a presidência de El Salvador.

Pence chegará à Guatemala na quinta-feira dia 28 de Junho para fechar uma turnê latino-americana durante a qual ele já declarou, em relação aos centro-americanos, que "se eles não tiverem condições de entrar legalmente" nos Estados Unidos, "não venha".

"Se lhes disserem que podem levar seus filhos para os Estados Unidos, não acreditem neles. Construa suas vidas em suas terras", disse Pence na terça-feira no Brasil, a primeira parada em uma turnê que o levou ao Equador na quarta-feira.

O Triângulo Norte-Americano que forma El Salvador, Honduras e Guatemala é um gerador de migrantes: milhares de pessoas fogem da violência (13.129 homicídios em 2017) causada por gangues transnacionais e tráfico de drogas, que se somam as poucas oportunidades oferecidas pela região em matéria de educação e emprego.

Os três governos expressaram abertamente sua rejeição à prática de separar as crianças migrantes de seus pais. Enquanto o presidente hondurenho Juan Orlado Hernández chamou isso de prática "desumana", seu colega guatemalteco, Jimmy Morales, disse que colocou em jogo a "grandeza e nobreza" dos Estados Unidos.

Segundo dados oficiais, pelo menos 500 das crianças separadas são guatemaltecas e a outra metade são salvadorenhos.

E os três países do Triângulo Norte também expressaram sua aprovação pela suspensão dessa prática por meio de uma ordem executiva assinada pelo presidente Donald Trump, em 20 de junho, que, no entanto deixou muitas dúvidas e demandas planejadas por agências de defesa dos direitos humanos.

Na terça-feira, quando Pence lançou seu duro aviso aos centro-americanos do Brasil, um tribunal de San Diego ordenou que o governo de Trump reunisse os milhares de crianças separadas de seus pais dentro de um período máximo de 30 dias, embora no caso dos menores de 5 anos, deve ser em duas semanas.

A decisão é um golpe para a Casa Branca, que havia estabelecido em abril passado a chamada política de "tolerância zero", que estipulava que qualquer criança que entrasse irregularmente no país deveria ser separada de seus pais enquanto estes estivessem presos aguardando julgamento. Seguindo a Ordem Executiva Trump, em vez de serem separados de seus pais quando cruzarem a fronteira, as crianças sem documentos serão mantidas indefinidamente com suas famílias em centros de detenção.

"A ordem executiva que encerra a prática de separar as famílias é um passo à frente, mas acreditamos que continuamos a não ter garantias de que os direitos humanos das crianças e suas famílias serão respeitados", disse o gerente do programa de gênero e influência política da ONG global Plan International, Emma Puig.

O diretor do Centro de Justiça e Direito Internacional (Cejil) do Caribe, Zona Andina e América do Norte, Francisco Quintana, disse ao chefe que os Estados Unidos deveriam tomar "medidas para reparar famílias cujos direitos humanos estão sendo violados" e que a reunificação também deve ocorre nos casos em que "os idosos já estão fora do país".

A política questionada de separar as crianças de seus pais migrantes é um capítulo que contribui para a crise de crianças migrantes solteiras que abalou a fronteira sul dos Estados Unidos em 2014, e a constante tragédia que envolve a jornada da América Central para os Estados Unidos inclui estupros, trabalho escravo e o desaparecimento de milhares de pessoas.

Para abordar a questão da migração, o Triângulo Norte e os Estados Unidos lançaram em 2014 o chamado Plano da Aliança para a Prosperidade, ao qual o governo de Barack Obama (2009-2017) destinou cerca de US $ 1,3 bilhão para promover o fortalecimento institucional e iniciativas em favor da educação e da economia.

É inútil "injetar dinheiro (no Plano) e ao mesmo tempo fazer deportações em massa, desrespeitando os direitos humanos e as leis internacionais", disse Sofía Martínez, analista do Crisis Group, uma organização especializada em resolução e prevenção de conflitos. , em declarações ao Chefe.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

www.witeradvogados.com

Fonte: https://laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerada uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.