O IMIGRANTE QUE OBTEVE UM VISTO NOS ESTADOS UNIDOS GRAÇA AS SUAS EXTRAORDINÁRIAS PIZZAS.


Publicado em 29 Julho 2018

Compartilhe:      

O IMIGRANTE QUE OBTEVE UM VISTO NOS ESTADOS UNIDOS GRAÇA AS SUAS EXTRAORDINÁRIAS PIZZAS.

7 anos atrás Renato Viola veio para Miami da Itália para abrir a pizzaria que ele queria ... e ele conseguiu.

O sonho de Renato Viola tinha a forma de uma pizza e ele queria torná-lo real nos Estados Unidos.

Criado em Agropoli, na costa de Amalfi, uma bela área do sudoeste da Itália banhada pelo mar Tirreno, Viola cresceu em um mundo onde, lembra ele, "a comida era a nossa vida".

Lá ele fez uma carreira como pizzaiolo que o levou a acumular prestígio, reconhecimento e aparições na mídia local. Isso e seu desejo de "enfrentar novos desafios" foi o que ele colocou em sua mala quando empreendeu a aventura americana com sua esposa há sete anos.

 

"Nós escolhemos Miami porque ela ama o sol e aqui você pode encontrar pessoas de todas as culturas.”. Então eles se estabeleceram em uma cidade que havia visitado várias vezes em férias e começaram a tomar medidas para abrir seu negócio de pizza.

 

O valor de um visto

 

O primeiro passo era regularizar sua situação de imigração, para a qual visitaram um advogado especializado nessas questões. "Quando ele leu meu currículo, ele me disse que seria muito difícil, mas ele me aconselhou a solicitar o visto O1."

 

O Departamento de Estado dos EUA reserva esse visto para "indivíduos com habilidades ou realizações extraordinárias".

 

De acordo com seu site, o visto de não imigrante O-1 é para pessoas que têm habilidades extraordinárias em ciências, artes, educação, negócios ou atletismo, ou tenham demonstrado um histórico de realizações de destaque na indústria do cinema ou da indústria de televisão e foram reconhecidos nacional e internacionalmente por essas conquistas.

 

Apesar de ser oferecida como uma opção para profissionais de valor especial, sua concessão não parece de forma alguma excepcional, embora o processo seja difícil e caro.

 

Mais de 17.000 pessoas obtiveram um visto O1 em 2017, mais de 3 de 4 pessoas que solicitaram o visto.

 

Esse sinal verde dá acesso a três anos de visto e, a partir de então, pode ser renovado a cada ano.

 

Este tipo de permissão é muito popular entre as estrelas de Hollywood ou entre aqueles que procuram brilhar no mundo do cinema nos Estados Unidos, o que levou a críticas no passado.

 

Hugh Jackman e Justin Bieber são alguns dos que conseguiram um lugar no país graças à O1, segundo a mídia especializada The Hollywood Reporter.

 

No caso de Renato, o visto chegou dentro de meio ano de solicitação.

 

"Quando eu recebi, eu não sabia seu verdadeiro valor", reconhece o pizzaiolo.

 

O caminho americano para o topo

 

Com a documentação em ordem, o mestre voltou-se para o projeto. Juntamente com seu parceiro, Umberto Mascagni, ele abriu um pequeno restaurante na área de Miami Beach, localizado em um local sem qualquer indicação na rua.

 

Ele chamou de Visa O1, como um referência ao ao mérito único que as autoridades americanas lhe outorgaram.

 

Segundo ele, muitos de seus amigos achavam que ele falharia, mas tinha certeza de que, se suas pizzas fossem saborosas o suficiente, o restaurante teria sucesso, por mais oculto que estivesse.

 

Aos 37 anos, para ele, era apenas dar rédea livre ao que era sua paixão desde a infância.

 

"Eu nem me lembro de quando comecei a cozinhar pizzas. Minha mãe sempre me lembra do dia em que, aos 3 ou 4 anos, ela me deu a pizza para experimentar. Então eu queria comer pizza todos os dias ".

 

"Eu tinha me apaixonado por pizza", explica ele, atestando um hobby que não foi extinto pelos anos.

 

Como profissional, Renato afirma aplicar a sabedoria herdada de sua mãe. Ele está convencido de que este é o segredo.

 

"Você já sabe como são as mães italianas", diz ele. Para ele, o carinho é o ingrediente-chave.

 

Em seu cardápio, as pizzas recebem o nome de seus amigos ou clientes habituais.

 

A pizza estrela da pizzaria é a Star Luca, assim chamada porque tem uma forma de estrela e é dedicada ao seu amigo Luca. Leva queijo fresco de ricota, salame picante de calabria, mussarela e molho de tomate.

 

Outra muito popular é dedicada a um tal Marco. A Marco é feita com stracciatella, rúcula, tomate e queijo parmesão. Renato também se atreve com fórmulas inovadoras. Ele criou pizzas com café ou gengibre. "Sou um pizzaiolo tradicional com mente aberta", diz ele.

 

Não demorou muito para que sua primeira pizzaria se tornasse pequena. Ele abriu dois novos restaurantes. Um em Brickell, o distrito financeiro de Miami, onde executivos estressados encontraram em suas pizzas uma ótima maneira de relaxar; e outro em Wynwood, uma área de vida noturna vibrante.

 

A nomeada de visto

 

Um dia, ele recebeu um telefonema da empresa proprietária dos direitos dos cartões de crédito Visa, que exigiam que ele mudasse o nome de seus restaurantes porque "isso poderia levar à confusão".

 

Renato teve que desistir de seu nome O1 Visa.

 

"Não poderíamos lutar contra uma grande empresa", lembra ele.

 

Apesar da mudança de nome, a empresa seguiu em frente com o nome de Mister Pizza Extraordinária O1 (Mister O1 Extraordinary Pizza, no original em inglês).

 

"Eu pensei que nossa força era o nosso produto", diz ele. E isso não mudou.

 

Agora ele divide seu tempo entre seus três restaurantes que, segundo estimativas, servem cerca de 1.300 pizzas todos os dias.

 

Para Renato, seu sonho americano não terminou, e é renovado toda vez que alguém entra em um de seus restaurantes e pede uma de suas pizzas.

 

"Agora eu sinto os Estados Unidos como minha casa. Não é fácil, mas há oportunidades aqui se você estiver disposto a trabalhar duro. ".

 

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

www.witeradvogados.com

Fonte: https://laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.