OS RISCOS DE UM CASAMENTO 'FAKE' PARA CONSEGUIR UM GREEN CARD


Publicado em 13 Maio 2018

Compartilhe:      

OS RISCOS DE UM CASAMENTO 'FAKE' PARA CONSEGUIR UM GREEN CARD

Imigrante pagou US $ 10.000 para se casar e obter o "green card".

O aplicante cometeu um erro grave ao planejar sua fraude.

Em junho de 2007, um homem pagou US $ 10 mil para se casar com uma americana e obter o "green card" e, eventualmente, a cidadania, o que foi finalizado em 2013.

O que levou a autoridade a suspeitar do seu caso? De acordo com um relatório de Cidadania e Serviços de Imigração (USCIS), Michael Roy Fraser, um cidadão jamaicano teria planejado tudo para realizar um casamento de conveniência, mas quando ele se divorciou de sua "esposa americana" queria tornar o processo de se casar com a mãe de seu filho e trazê-los para os Estados Unidos.

"Aproximadamente dois meses depois de obter o passaporte americano, Fraser pediu o divórcio de seu cônjuge e logo depois ele se casou com a mãe de seu filho, também uma cidadã da Jamaica", informou o USCIS. "Então, Fraser entrou com um pedido de imigração para sua cônjuge jamaicana para obter residência permanente legal."

A autoridade indica que durante uma revisão da aplicação do "green card" para o jamaicano, um funcionário do USCIS detectou várias discrepâncias que levaram à descoberta da fraude.

"O oficial percebeu que o novo cônjuge alegou ter vivido com Fraser por um tempo quando ele alegou estar casado com sua esposa anterior. Além disso, o oficial descobriu que Fraser e sua esposa jamaicana tinham um filho em comum, que nasceu um ano antes do casamento fraudulento de Fraser", relatou a autoridade.

O homem não relatou os fatos quando apresentou sua solicitação de residência permanente e depois como cidadão dos Estados Unidos.

"Este assunto foi submetido às autoridades de imigração de Seguridade Nacional de Detenção de Fraude do USCIS (FDNS) que trabalharam com os agentes do ICE para investigar o esquema fraudulento," indicou o governo sobre o caso que levou cinco anos para ser concluído .

O homem foi condenado em 25 de abril de 2018 após vários anos de investigação, informou Benjamin G. Greenberg, um advogado dos Estados Unidos para o Distrito Sul da Flórida; Mark Selby, agente especial responsável, National Security Investigations (HSI) do Serviço de Imigração e Alfândega (ICE); e Linda M. Swacina, diretora do USCIS em Miami.

 

O jamaicano foi acusado de uma violação do Título 18 do Código dos Estados Unidos, Seção 1425 (a) e uso indevido de prova de cidadania ou naturalização, em violação do Título 18, Seção 1423.

A autoridade não indica o que aconteceu com a cidadã americana que recebeu pelo casamento, já que ela também cometeu fraude, como foi relatado em casos semelhantes.

O USCIS e o Departamento de Justiça colaboram para detectar casos como este e até mesmo manter uma campanha na mídia social para alertar os imigrantes sobre o perigo de tentar cometer um engano semelhante.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

www.witeradvogados.com

Fonte: laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.