COMPROU BEBÊ POR US $ 80 DÓLARES PARA ENTRAR NOS EUA

O governo diz que agentes da HSI identificaram 5.500 famílias fraudulentas na fronteira sul.


Publicado em 04 Agosto 2019

Compartilhe:      

COMPROU BEBÊ POR US $ 80 DÓLARES PARA ENTRAR NOS EUA

O governo de Donald Trump continua a denunciar o uso de truques por imigrantes para obter asilo ou um tratamento mais leve por parte das autoridades de imigração nos EUA.

 

De acordo com o diretor interino do DHS, os imigrantes alugam, compram e até sequestram crianças para que imigrantes solteiros, a maioria homens da América Central, possam rapidamente partir para os Estados Unidos depois de cruzarem a fronteira ilegalmente.

 

"Tivemos indicações ... de que poderia custar entre algumas centenas, ou mesmo em alguns casos, menos de US $ 100, até US $ 1 mil ou mais", disse Kevin McAleenan, secretário interino do Departamento de Segurança Interna, durante uma audiência no Congresso no dia 18 de julho.

 

McAleenan falou sobre o caso de um imigrante de 51 anos que comprou um bebê de 6 meses por US $ 80 na Guatemala para entrar facilmente nos Estados Unidos. O homem, um cidadão hondurenho, confessou a agentes de fronteira quando enfrentou um teste de DNA.

 

"Temos visto todos os tipos de organizações de contrabando que se comunicando com clientes em potencial e com aqueles que cruzam a fronteira para levar um filho com eles para poder permanecer nos Estados Unidos", disse McAleenan. "Eles têm estado ativos em publicidades, literalmente no Facebook e no rádio da América Central."

 

De acordo com relatórios oficiais nas últimas oito semanas, agentes especiais da HSI identificaram 5.500 famílias fraudulentas, cerca de 15% de todos os casos referidos.

 

Law Office of Witer DeSiqueira

Fonte: www.laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.