CRESCE O NÚMERO DE VISTOS NEGADOS PELOS EUA A BRASILEIROS

Aumenta também o número de brasileiros apreendidos na fronteira


Publicado em 09 Março 2020

Compartilhe:      

CRESCE O NÚMERO DE VISTOS NEGADOS PELOS EUA A BRASILEIROS

O acúmulo de dívidas e o fim de um contrato de trabalho levaram a professora Graziele Soares, 35 anos, a tentar cruzar a fronteira do México para viver nos Estados Unidos, como fez uma irmã dela há 16 anos. Presa ao tocar o solo norte-americano, a brasileira relata "os piores dias" de sua vida no processo de deportação ao Brasil, um risco crescente para os que, sem visto, decidem arriscar a sorte.

Entre outubro de 2018 e setembro de 2019 o número de vistos de turismo negados pelos EUA a brasileiros teve um aumento significativo, o maior índice dos últimos 14 anos. Houve um crescimento de mais de 45% na comparação com a taxa do ano fiscal anterior, entre outubro de 2017 e setembro de 2018, chegando a 18,5%, de acordo com dados do Departamento de Estado norte-americano.

No mesmo período, o número de brasileiros detidos pela imigração norte-americana ao tentar entrar irregularmente no país também cresceu exponencialmente, chegando a 17,9 mil presos nos centros de detenção do departamento de imigração. O número de vistos negados não explica, mas se relaciona com o crescimento do número de pessoas detidas, no que parece ser uma estratégia para desestimular novas tentativas de imigração de brasileiros aos EUA.

O aperto na política de imigração leva aos dois resultados, para os que tentam o visto de forma legal e para aqueles que, sem essa chance, querem entrar via México, já que o país não exige mais vistos de brasileiros. Os dados do Departamento de Estado, desde 2006, mostram que a parcela de vistos negados a brasileiros foi caindo rapidamente daquele ano, em que estava em torno de 13%, até 2014, quando chegou a 3,2%. Em 2014 e nos dois anos anteriores, as negativas estiveram próximas do limiar de 3%, sempre dado pelo governo norte-americano como o limite que o Brasil teria que baixar para entrar na sonhada lista de países que poderiam negociar o fim do visto. Em 2015, no entanto, as negativas subiram um pouco, para 5,4% —de acordo com fontes ouvidas pela Reuters, possivelmente uma resposta ao início de uma crise econômica.

O salto, no entanto, começou em 2016, quando alcançou 16,7%, nesse caso, explica uma das fontes, causado pela soma de um ano eleitoral nos EUA em que a política de imigração já era um tema central e a sensação, entre os brasileiros, de que, com o fim do governo do democrata Barack Obama, a situação ficaria mais difícil. "Nos meses entre a eleição e a posse do atual presidente americano (Donald Trump), houve um aumento perceptível, motivado pela sensação de urgência", explicou uma fonte do governo brasileiro que acompanha a situação dos imigrantes. Em 2017 e 2018, os vistos recusados ficaram um pouco acima de 12%, para então saltarem para os 18,5% atuais.

A quantidade de brasileiros presos e as negativas de vistos são consideradas pelas fontes consultadas pela Reuters como duas faces da mesma moeda: o aumento do controle das fronteiras e a intenção de dissuadir novas levas de imigrantes. "Acredito que o que aumentou não foi tanto o número de brasileiros tentando emigrar, mas sim o rigor das autoridades locais. Temos aqui uma clara intenção dissuasória", avaliou a fonte. Em contato com as autoridades do país, um dos brasileiros presos e deportados contou que ouviu de um dos guardas no centro de detenção onde ficou que ao voltar para o Brasil deveria contar aos amigos no Brasil todas as dificuldades que passou para que outros não tentassem o mesmo caminho.

"Cai-Cai"

Em El Paso, onde a maior parte dos brasileiros que tentam cruzar a fronteira irregularmente fica presa, o tratamento aos imigrantes é mesmo o de dissuadir novas tentativas. "Olha, a impressão que a gente tem é que tudo é para a gente se sentir humilhada e não querer mais voltar. E conseguiram. Foram os piores dias da minha vida", contou à Reuters a professora Graziele Soares, 35 anos, uma das brasileiras deportadas no voo que chegou ao Brasil no dia 8 deste mês. Ela, como as demais mulheres ouvidas pela Reuters, conta que ficaram presas por cerca de 20 dias, até serem deportadas. Nesses dias, não tinham informação, só puderam tomar banho duas ou três vezes. Tiveram que por fora todos os seus pertences, com exceção dos documentos.

Como as outras pessoas ouvidas pela Reuters, Graziele, que vive em Governadores Valadares, deixou o Brasil em janeiro, com o marido e o filho de 10 anos. Com o fim do contrato de trabalho como professora na rede municipal e dívidas acumuladas, planejou por seis meses tentar a vida dos EUA. "Minha irmã que já vive legal lá me incentivou, me deu uma ajuda, nós vendemos algumas coisas e fomos. Eu fiz por causa das dívidas mesmo", contou Graziele. Em fevereiro de 2019, a professora e sua família já tinham tentado legalmente o visto, mas foi recusado. "Só me disseram que nós estávamos 'inabilitados para entrar no país'", contou. Dessa vez, nem resolveu tentar.

A professora, assim como a maioria dos brasileiros, resolveu juntar a família e tentar o que chamam de "cai-cai", o sistema chamado pelos norte-americanos de "catch and release", em que o imigrante irregular, ao ser pego pela imigração e pedir asilo, era solto e tinha permissão para viver nos EUA até uma decisão judicial. A maioria, sem endereço fixo, dificilmente é encontrada pelas autoridades novamente. "Minha irmã foi assim em junho do ano passado e foi tudo bem. Ficou um dia em um abrigo e foi liberada. A gente pensou que se foi tudo bem com ela, valia a pena tentar", contou Fiama, costureira de Goiânia, que estava acompanhada de marido e a filha de 6 anos.

O que os brasileiros ainda não entenderam é que as regras de imigração ilegal mudaram muito desde a entrada de Donald Trump na presidência. As Leis mudaram pouco, porém as regras que já existiam foram endurecidas e estão sendo levadas ao pé da letra. A política do “cai-cai” não funciona mais, pois a imigração já sabe que aquelas pessoas não irão comparecer em Corte e ficarão eternamente fugindo da polícia de imigração.

Atualmente, os imigrantes são presos na fronteira México-EUA, levados para um dos centros de detenção no lado norte-americano, onde homens e mulheres são separados no caso das brasileiras, os filhos ficaram com as mães. Lá, depois de alguns dias, são ouvidos em uma entrevista, não sabem por qual autoridade, por um telefone. Ao terem a entrada negada, entram na lista de deportação. A nova lei ajudou a engordar a quantidade de pessoas presas nas fronteiras, já que a informação de que o "cai-cai" mudou não chega a muita gente. E a dificuldade de tirar vistos só aumenta. Fiama nem mesmo cogitou visto. Lembra que a irmã chegou a tentar quando ainda era casada, tinha empresa em seu nome, registro e todos os documentos, e pretendia apenas fazer turismo. Ainda assim, teve o visto negado. "Eu que não tenho carteira assinada, não tenho casa própria, que ia adiantar? Não iam nos dar mesmo", diz.

Outro grande problema do brasileiro é o imediatismo. Ele decide se mudar de país e quer isso para ontem, ao invés de se programar, procurar um profissional especializado para orientação jurídica correta. E neste ímpeto, faz tudo errado e se complica para uma futura imigração.

Até para um visto de turista é necessária uma boa assessoria, para evitar uma negativa. Analisar o perfil do aplicante de visto e orientar quais são as decisões a serem tomadas até que ele esteja pronto para a aplicação, com maiores chances de aprovação, faz parte de uma boa assessoria.

Política migratória

O Itamaraty estima que cerca de 1,7 milhão de cidadãos (brasileiros) vivam nos Estados Unidos hoje, entre regularizados e aqueles que estão lá irregularmente. Apesar de parecer alto, o número é pequeno na comparação com outros grupos de imigrantes. Dados do Bureau do Censo norte-americano apontavam, em 2016, o Brasil apenas como o 20º país com maior número de cidadãos vivendo nos EUA. Até hoje, o número relativamente baixo de imigrantes e um perfil considerado baixo de periculosidade não havia atraído a atenção do governo norte-americano para os brasileiros. Mas o recrudescimento da política migratória, combinado com uma boa vontade do atual governo brasileiro de aceitar sem problemas grande número de deportados, trouxe os holofotes sobre o problema.

Como mostrou a Reuters em reportagem do ano passado, o governo brasileiro voltou a aceitar deportações em massa, em voos pagos pelo governo norte-americano que trazem dezenas de pessoas ao mesmo tempo. O primeiro destes voos chegou em outubro de 2019. A autorização para os voos com deportados é dada pelo governo brasileiro que, desde 2006, não aceitava mais esse tipo de política.

O que a grande mídia não informa é que, são três questões importantíssimas nestes fatos:

1ª – Tentar entra ilegalmente em qualquer país do mundo é crime! E nenhum país é obrigado a aceitar ilegais.

2ª – O acordo do Governo brasileiro para deportar imediatamente os brasileiros presos em fronteira é um mal menor, do que deixá-los presos à mercê de advogados que vão sugá-los, alegando que os tirarão da prisão, quando isso não vai acontecer, pois só sairão da prisão para a Corte de imigração e de lá deportados também!

3ª – Este acordo em contrapartida, concedeu um aumento de 2.500 para 17.500 vistos de imigração EB-2 (Green Cards) para brasileiros.

Então, quem realmente quer imigrar de forma correta e legal, as possibilidades aumentaram bastante.

O que falta ao brasileiro em geral, é informação correta sobre possibilidades e regras de imigração, e parar de acreditar em milagres, em fontes não oficiais. Aquela história de que “deu certo para o meu amigo, vai dar certo para mim”, não funciona mais.

Procurar um advogado de imigração, uma boa assessoria e se programar é o caminho correto.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

Em colaboração com: https://noticias.uol.com.br/

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.