"DREAMERS" PRESSIONAM POR LICENÇAS PARA VIAJAR PARA O EXTERIOR


Publicado em 20 Janeiro 2019

Compartilhe:      

Um grupo de vinte "dreamers" da Califórnia e Arizona viajou para Washington em busca de apoio a um pedido seu para o governo do presidente Donald Trump para que devolva a permissão de viajar para o exterior para beneficiários da Ação Diferida (DACA).

"Queremos convencer os legisladores e o público em geral sobre a importância destas autorizações de viagem e como ao nos negar essa oportunidade é um exemplo de discriminação deste governo", disse Lidieth Arévalo, protegido por DACA.

As permissões estrangeiras de saída e reentrada, conhecidas em inglês como "advance parole", permitiam que os beneficiários da DACA deixassem o país e pudessem reentrar legalmente.

O privilégio foi perdido no meio da disputa legal entre os "dreamers" e o governo por rescindir o programa. Os juízes que ordenaram que a administração de Trump restabelecesse o benefício não incluíram licenças de saída.

A situação afetou centenas de jovens entre os alunos participantes do Projeto Califórnia México do Cal State Long Beach (CSULB), o programa acadêmico permitiu que esses jovens imigrantes indocumentados regressassem aos seus países de origem para conhecer as suas raízes e ver seus entes queridos.

Arévalo, a primeira salvadorenha com DACA ao retornar ao seu país de origem como parte deste programa educacional, diz que ter eliminado as permissões de viagem para esses jovens que chegaram ao país, sendo alguns, crianças, é uma punição desnecessária.

Após a decisão do governo de rescindir o benefício da DACA, mais de 70 sonhadores que pretendiam viajar para o México em 2017 tiveram que cancelar sua partida, dada a impossibilidade de reentrar legalmente.

"Os dreamers não perderam a esperança, muitos ainda se comunicam com a universidade e o programa para participar, é algo que não afetaria o governo", explicou Arévalo.

Além das razões educacionais, os "dreamers" podem solicitar autorizações de reentrada por razões trabalhistas ou humanitárias.

Em sua negativa, o Governo Trump nem sequer outorgou permissões aos amparados que sofreram a morte de um parente, como o caso da mexicana Mayra Garibo, a quem as autoridades de imigração negaram permissão para assistir ao funeral de seu pai em janeiro de 2018.

Garibo não desistiu e continua apelando da decisão da Administração para permitir que ela vá visitar o túmulo de seu pai.

A campanha, que também inclui membros do San Diego Border Dreamers e do Arizona Act Coalition, terá duração de três dias em Washington e tem como alvo legisladores sêniors de ambas as câmaras legislativas.

A chamada também é para que outros "dreamers" e organizações se juntem a esta campanha de pressão ao governo.

Os congressistas Alan Lowenthal e Nannette Barragan encabeçaram uma carta pedindo ao secretário do Departamento de Segurança Interna Kirstjen Nielsen que reinstale o benefício de "advance parole".

 

Law Office of Witer DeSiqueira

Fonte: www.laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.