IMIGRAÇÃO NOS EUA: 7 GRÁFICOS MOSTRANDO SUA REAL DIMENSÃO E CONTRIBUIÇÃO

Um olhar detalhado revela como a demografia mudou nos EUA e como os migrantes influenciam.


Publicado em 02 Dezembro 2018

Compartilhe:      

IMIGRAÇÃO NOS EUA: 7 GRÁFICOS MOSTRANDO SUA REAL DIMENSÃO E CONTRIBUIÇÃO

Os Estados Unidos são um país moldado pela imigração, mas em muitos casos ao longo de sua história houve controvérsias sobre os recém-chegados.

 

Uma análise mais detalhada da imigração revela as grandes mudanças que ocorreram ao longo do tempo e a contribuição que elas deram para o novo país.

 

Residentes dos EUA nascidos no exterior

 

Hoje, cerca de 14% da população dos Estados Unidos nasceu no exterior. Isso representa um aumento acentuado em relação ao valor histórico de menos de 5% em 1970, mas é semelhante à porcentagem que existia entre 1870 e 1910.

 

Após a onda de migração que veio da Europa no final do século 19, a imigração caiu drasticamente, de cerca de um milhão por ano em 1910 para apenas 165.000 em 1924.

 

Isto foi em grande parte devido aos limites estabelecidos sobre o número de imigrantes de países específicos, embora a turbulência econômica após a Grande Depressão e as duas guerras mundiais também a tenham influenciado.

 

Durante a segunda metade do século XX, as cotas foram levantadas e as políticas de reunificação familiar foram introduzidas. Em 1986, muitas pessoas que viviam nos Estados Unidos receberam anistia. sem documentos

 

Hoje, a quantidade de população nascida no exterior varia de acordo com a área do país: de menos de 5% no sudeste e centro-oeste, a mais de 20% na Califórnia, Flórida, Nova Jersey e Nova York.

 

Natalidade

 

Apesar do número de imigrantes que está chegando agora nos EUA É metade do que foi visto em 1900, o número de pessoas nascidas no exterior no país é semelhante.

 

Nos EUA, a razão pela qual a proporção de pessoas nascidas fora do país está crescendo não é simplesmente porque mais pessoas estão chegando, mas também por causa da queda na taxa de natalidade na população nativa.

 

Desde a década de 1960, o número médio de filhos que as mulheres têm nos Estados Unidos. em média, caiu de 3,7 para 1,8 por mulher. Isso gerou uma queda no número de pessoas na categoria "idade plena de trabalho" (entre 25 e 54 anos) nascidas de pais nativos.

 

Em contraste, a população imigrante e seus filhos continuaram a crescer.

 

Status legal dos imigrantes

A maioria dos imigrantes entrou no país legalmente.

 

Em 2014, 44% da população nascida no exterior obteve a cidadania norte-americana. Outros 27% possuem autorização de residência permanente (Green Card) e 4% são residentes temporários, com autorização para morar no país.

 

Cerca de um em cada quatro imigrantes - ou 11,1 milhões de pessoas - vivem no país sem autorização legal.

 

Esta proporção caiu depois de uma queda drástica na imigração sem a permissão líquida de 500.000 por ano no início de 2000, para quase zero desde 2009.

 

Estima-se que cerca de 75% dos migrantes não autorizados tenham vivido nos Estados Unidos por mais de 10 anos. Menos de um em cada cinco tem menos de 24 anos, e estima-se que três entre quatro têm entre 25 e 54 anos.

 

Cerca de 800.000 pessoas que entraram nos EUA ilegalmente, solicitaram status jurídico parcial temporário.

 

Estes são os chamados "sonhadores", cujo status legal foi questionado pelas mudanças nas políticas introduzidas pelo governo Trump.

 

De onde vêm os imigrantes?

 

Hoje, a maioria dos imigrantes nos Estados Unidos vêm da América Latina ou da Ásia, uma grande mudança em relação ao século passado, quando a maioria veio da Europa.

 

Em 2017, 27% dos residentes estrangeiros nascidos nos EUA eram do México, comparado a menos de 2% em 1910.

 

17% vêm de outros países da América Latina, incluindo El Salvador e Cuba.

 

Quase um em cada três imigrantes nos EUA Atualmente é de algum país asiático. A maior proporção é da Índia e da China (6,5% e 4,7%, respectivamente).

 

Em 2017, um em cada 10 imigrantes era da Europa, em comparação com nove dos 10 em 1910.

 

Embora os lugares tenham mudado, os imigrantes tendem a vir de lugares mais pobres do que os Estados Unidos, pois os migrantes buscam melhorar suas condições de vida.

 

A produção per capita em 1910 na Itália foi de cerca de um terço em relação aos EUA, como é o caso hoje no México.

 

Educação de imigrantes

 

Uma das maneiras mais óbvias pelas quais a diversidade de migrantes se manifesta é a enorme variação no grau de educação que alcançam.

 

Os imigrantes são mais propensos a ter um mestrado ou doutorado do que os filhos de pais nascidos nos EUA.

 

No entanto, cerca de um em cada quatro imigrantes não conclui o ensino médio, em comparação com um em cada 20 dos filhos de pais americanos.

 

Mesmo assim, os imigrantes que vêm para os EUA eles tendem a ter mais treinamento do que seus pares que não emigraram.

 

Isto pode ser devido à rede de ajuda limitada daqueles com menos perspectivas, devido às melhores oportunidades disponíveis para imigrantes altamente qualificados e ao custo relativamente alto de chegar ao país.

 

Independentemente das características de seus pais, filhos de imigrantes tendem a obter resultados semelhantes aos filhos de pais nativos.

 

Imigrantes e economia

 

Os imigrantes contribuem diretamente para o crescimento econômico, aumentando a população e a demanda por bens e serviços.

 

Dar cidadania a muitos imigrantes não autorizados e permitir a imigração aumentaria o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) - o valor total dos bens e serviços produzidos - em 0,33% na próxima década, de acordo com o Escritório de Orçamento do Congresso dos EUA.

 

Sem imigrantes não autorizados, o crescimento diminuiria em 0,27% ao ano.

 

Isso é significativo quando se trata de crescimento econômico nacional. Um investimento de US $ 1,5 trilhão em infraestrutura de 10 anos pode aumentar o PIB entre 0,1% e 0,2% ao ano.

 

Os imigrantes também contribuem para o crescimento econômico de formas menos diretas.

 

Embora representem apenas 18% dos trabalhadores com mais de 25 anos de idade, os imigrantes são responsáveis por 28% das patentes de alta qualidade, sinal de progresso tecnológico associado à produtividade e ao crescimento econômico.

 

A produção na economia é maior e cresce mais rapidamente com mais imigrantes, pois aumentam o número de trabalhadores e a produtividade.

 

A força de trabalho imigrante é responsável por 39% do aumento de empregos em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, com um aumento de 29% dos trabalhadores neste setor em 2010.

 

Mesmo assim, eles são mais propensos a ser empregados no setor de serviços como chefes de cozinha, proprietários de imóveis ou como ajudantes no atendimento às pessoas.

 

Os imigrantes tendem também a ter um impacto positivo nas finanças dos EUA, uma vez que pagam mais impostos do que recebem nos serviços do governo, quando comparados aos trabalhadores nativos.

 

É particularmente notável que, entre trabalhadores pouco qualificados, os imigrantes tenham maior probabilidade de estar empregados e recebam menos benefícios do governo do que os nascidos nos Estados Unidos.

 

Desde a sua fundação, os imigrantes têm sido parte integrante do tecido da economia e da sociedade americanas.

 

Entenda quem são e que papel desempenharam nos EUA. Pode ajudar a enriquecer o debate em torno daqueles que farão do país sua casa no futuro.

 

Sobre este artigo

 

Esta análise foi encomendada pela BBC para especialistas que trabalham em uma organização externa.

 

Jay Shambaugh é o diretor do Projeto Hamilton e membro da Brookings Institution. Ryan Nunn é diretor de política do Projeto Hamilton e membro da Brookings Institution. Kriston McIntosh é diretor executivo do Projeto Hamilton.

 

Esta peça é baseada em seu estudo "Uma dúzia de dados sobre imigração".

 

A Brookings Institution é uma organização de políticas públicas sem fins lucrativos que realiza pesquisas que dão origem a novas idéias para resolver problemas que afligem a sociedade.

 

Law Office of Witer DeSiqueira

Fonte: www.laopinion.com            

 https://www.bbc.com/news

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.