JUIZ BLOQUEIA A ORDEM DE TRUMP QUE LIMITAVA PEDIDOS DE ASILO COM A CHEGADA DA CARAVANA

Um juiz federal em San Francisco emitiu uma ordem de restrição temporária de 30 dias ontem.


Publicado em 20 Novembro 2018
LA OPINION

Compartilhe:      

JUIZ BLOQUEIA A ORDEM DE TRUMP QUE LIMITAVA PEDIDOS DE ASILO COM A CHEGADA DA CARAVANA

Um juiz federal impediu a recente medida ordenada pelo presidente Donald Trump de banir os pedidos de asilo para imigrantes indocumentados que cruzam a fronteira com o México.

 

Jon Tiger, magistrado do distrito de São Francisco, emitiu uma ordem de restrição temporária sobre o regulamento de asilo que entrou em vigor imediatamente e durará pelo menos até 19 de dezembro, informou a mídia local.

 

Para essa data, o juiz convocou uma audiência para estudar se uma ordem judicial mais duradoura é emitida, explicou a CNN.

 

Em 9 de novembro, Trump ordenou proibir por pelo menos 90 dias as opções para solicitar asilo na fronteira sul à aqueles que entrarem no país irregularmente.

 

De acordo com a proclamação presidencial, a limitação poderia ser estendida até a assinatura de um acordo com o México que permitisse aos Estados Unidos deportar imigrantes ilegais diretamente para aquele país.

 

A ordem de Trump foi fortemente criticada por grupos de direitos humanos, que eles consideraram violar as leis de imigração dos EUA.

 

A decisão do juiz Tigre vem quando milhares de centro-americanos, incluindo centenas de crianças, viajam em caravana até a fronteira dos EUA, alegando serem vítimas de violência em seus países. Alguns já chegaram em Tijuana, uma cidade mexicana na fronteira com a Califórnia.

 

Law Office of Witer DeSiqueira

 

Fonte: www.laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.


Fonte: LA OPINION