O GOVERNO TRUMP CONTINUA SEPARANDO AS CRIANÇAS DOS PAIS NA FRONTEIRA

Apesar da ordem judicial, 187 imigrantes menores ainda permanecem sem se reunir com seus pais


Publicado em 24 Fevereiro 2019

Compartilhe:      

O GOVERNO TRUMP CONTINUA SEPARANDO AS CRIANÇAS DOS PAIS NA FRONTEIRA

Nesta quarta-feira o governo de Donald Trump, finalmente, informou sobre a situação dos 249 filhos de imigrantes que foram separadas de seus pais após a ordem judicial em junho passado, o que obrigou a reunificação de famílias separadas na fronteira sul.

 

De acordo com um documento apresentado hoje no tribunal federal de San Diego, em resposta ao pedido dos advogados que representam as famílias migrantes separadas pela política de "tolerância zero" contra a imigração ilegal, entre 27 de junho, 2018 e a última Em 5 de fevereiro, o Escritório para a Recolocação de Refugiados (ORR) recebeu 249 menores que foram separados de suas famílias.

 

Desse número, 62 já foram reunidos, seja com seus pais ou outro membro da família ou responsável, segundo o relatório.

 

Em 225 casos a separação foi porque o pai tinha registros ou afiliações em um grupo criminoso em 17 problemas de saúde, e outros três tinham dúvidas sobre a relação, diz o relatório.

 

Os advogados do governo federal explicaram no briefing o procedimento adotado após a ordem da reunião emitida pelo juiz Dana Sabraw, que preside a ação coletiva, bem como as opções dos pais para a reunificação com as crianças.

 

Nesse sentido, o Departamento de Segurança Interna (DHS) realiza a separação em casos em que há antecedentes criminais por parte dos pais, doença, algum risco para o menor ou outros critérios, disseram os advogados.

 

Posteriormente, o DHS comunica os motivos à Agência de Saúde e Serviços Humanos (HHS), que garantirá que essas informações cheguem aos advogados que representam as crianças.

 

No entanto, os advogados que representam pais e filhos migrantes indicam separadamente no relatório que fizeram algumas sugestões sobre o que um banco de dados deve incluir para monitorar melhor as futuras separações.

 

Essa equipe jurídica pediu ao governo uma proposta por escrito e até a última sexta-feira foi anunciado de que "estava em processo de desenvolvimento", embora até agora não o tenha recebido.

 

Até o momento, o governo Trump reuniu 2.735 das 2.816 crianças que separou de seus pais na fronteira sul, principalmente imigrantes da América Central em busca de asilo político.

 

Embora um acordo tenha sido alcançado em novembro passado para resolver o processo de ação coletiva, que incluiu uma reconsideração de todas as reivindicações de refugiados, uma auditoria do Escritório do HHS do Inspetor-Geral foi revelada em meados de janeiro, sugerindo que o governo separou "milhares mais crianças" daqueles contempladas no litígio.

 

Este relatório mostrou que, antes da implementação da política de "tolerância zero", milhares de famílias já haviam sido separadas. As autoridades informaram que sua reunificação seria complicada, uma vez que não dispunham de um sistema para rastreá-las.

 

A descoberta causou indignação entre a equipe jurídica de defesa dos imigrantes, os mesmos irão levar isso a juízo na quinta-feira em uma audiência do tribunal federal em San Diego.

 

Law Office of Witer DeSiqueira

Fonte: www.laopinion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.