SERÁ QUE VOCÊ SERIA CONSIDERADO UM "ENCARGO PÚBLICO" PARA O GOVERNO AMERICANO?

O Departamento de Estado alterou as diretrizes de análise para considerara se um estrangeiro pode ser considerado um "encargo público". À partir de agora os oficiais consulares irão avaliar fatores como idade, saúde, renda, grupo familiar, entre outros


Publicado em 13 Outubro 2019

Compartilhe:      

SERÁ QUE VOCÊ SERIA CONSIDERADO UM

A regra final provisória, publicada em 11 de outubro de 2019 no Federal Register (Diário Oficial Estadunidense) altera os regulamentos do Departamento de Estado (“Departamento”), prescrevendo como os oficiais consulares determinarão se um estrangeiro é inelegível para um visto de acordo com a Lei de Imigração e Nacionalidade (“INA”), pois, segundo a agência, é provável que a qualquer momento torne-se uma cobrança pública.

 

A partir de agora os estrangeiros que buscam um visto, pedido de admissão ou ajuste de status devem estabelecer que eles não podem, em nenhum momento, se tornar uma acusação pública, a menos que o Congresso os tenha isentado expressamente deste motivo de inelegibilidade ou se o estrangeiro obteve uma renúncia (waiver).

 

Os critérios que serão levados em conta para determinar se um estrangeiro poderá vir a ser um “encargo público” no futuro ou não são:

 

Base para determinação da inelegibilidade: Primeiro, a regra final provisória adiciona o idioma do estatuto "a qualquer momento" ao idioma regulamentar existente. Em seguida, a regra final provisória adiciona uma referência ao INA 212 (a) (4) (D), 8 U.S.C. 1182 (a) (4) (D), a exigência de que um imigrante baseado em emprego cujo parente tenha apresentado a petição de visto de imigrante ou tenha uma participação acionária significativa na entidade que apresentou a petição de visto de imigrante é inelegível, a menos que tal parente tenha executado uma declaração suficiente de apoio a esse estrangeiro.

 

Idade: Oficiais consulares considerarão se a idade do estrangeiro aumenta a probabilidade de o estrangeiro se tornar um encargo público na totalidade das circunstâncias, por exemplo, afetando a capacidade do estrangeiro de trabalhar. Oficiais consulares considerarão a idade de um estrangeiro entre 18 e 62 anos como um fator positivo. A idade será considerada um fator negativo para alienígenas com menos de 18 anos ou mais de 62 anos.

 

Saúde: De acordo com a regra final provisória, os oficiais consulares considerarão se a saúde do estrangeiro serve como um fator positivo ou negativo na totalidade das circunstâncias, incluindo se o estrangeiro foi diagnosticado com uma condição médica que provavelmente requer tratamento médico extensivo internação ou que interfira na capacidade do estrangeiro de cuidar e cuidar de si mesmo, de frequentar a escola ou de trabalhar (se autorizado).

 

Status da família: A regra final provisória reflete que, ao considerar o status da família de um estrangeiro, os oficiais consulares considerarão o tamanho da família do estrangeiro e se o tamanho da família do estrangeiro faz com que o estrangeiro se torne um encargo público a qualquer momento no futuro. O tamanho da família é um fator positivo se o tamanho da família faça com que dificilmente ela venha a receber benefícios públicos a qualquer momento no futuro.

 

Ativos, recursos e status financeiro: A regra final provisória especifica vários aspectos não exclusivos dos ativos, recursos e status financeiro do estrangeiro que os agentes consulares considerarão. Primeiro, com relação à renda bruta da família de um estrangeiro, a regra final provisória especifica que a renda bruta anual para o tamanho da família do requerente seja de pelo menos 125% das mais recentes diretrizes federais de pobreza, baseadas no tamanho da família do requerente (ou 100% para o requerente em serviço ativo, exceto treinamento, nas Forças Armadas).

 

Educação e habilidades: Ao considerar a educação e as habilidades de um estrangeiro, os oficiais consulares considerarão os fatores positivos e negativos associados ao fato de o estrangeiro ter educação e habilidades adequadas para obter ou manter um emprego legal com uma renda suficiente para evitar a possibilidade de se tornar um encargo público. Ao avaliar se o nível de educação e habilidades do estrangeiro faz com que o estrangeiro se torne uma acusação pública, o oficial consular deve considerar, entre outros fatores, a história de emprego do estrangeiro, o nível educacional (diploma do ensino médio ou equivalente ou um nível superior, grau educacional), quaisquer habilidades ocupacionais, certificações ou licenças e proficiência em inglês ou proficiência em outros idiomas além do inglês.

 

Declaração Jurídica de Suporte: A regra final provisória declara que uma Declaração Jurídica de Suporte suficiente, de acordo com a Seção 213A do INA, onde é necessária, é um fator positivo na totalidade das circunstâncias, se o patrocinador provavelmente fornecer ao estrangeiro quantidade necessária de apoio financeiro e outras considerações relacionadas que possam indicar a capacidade ou vontade do patrocinador de fornecer apoio.

 

Fatores fortemente ponderados

 

  • A regra final provisória introduz certos fatores e circunstâncias factuais que pesarão bastante na determinação de se um alienígena provavelmente se tornará uma carga pública, incluindo fatores negativos e positivos. Os fatores negativos fortemente ponderados são:

 

  • O estrangeiro não é um estudante em período integral e está autorizado a trabalhar, mas é incapaz de satisfazer o funcionário consular que ele ou ela está atualmente empregado, tem histórico recente de emprego ou uma perspectiva razoável de emprego futuro;

 

  • O estrangeiro recebeu ou foi certificado ou aprovado para receber um ou mais benefícios públicos, conforme definido em 22 CFR 40.41 (c), por mais de 12 meses no total, dentro de um período de 36 meses (como, por exemplo, recebimento) de dois benefícios em um mês, conta como um valor de dois meses), com início antes das 12 horas, 15 de outubro de 2019 ou 36 meses antes da adjudicação do pedido de visto do estrangeiro, o que ocorrer depois;
  • O estrangeiro foi diagnosticado com uma condição médica que provavelmente requer tratamento ou institucionalização extensiva ou que interferirá na capacidade do estrangeiro de se sustentar, frequentar a escola ou trabalhar;

 

  • O estrangeiro não tem seguro de saúde para uso nos Estados Unidos e não tem a perspectiva de obter um seguro de saúde privado, nem os recursos financeiros para pagar custos médicos razoavelmente previsíveis relacionados a essa condição médica;

 

  • O estrangeiro foi anteriormente considerado inadmissível ou deportável por motivos de acusação pública por um juiz de imigração ou pela Câmara de Apelações de Imigração.

 

Os fatores positivos fortemente ponderados são:

 

  • A família do estrangeiro possui renda, bens, recursos ou apoio de pelo menos 250% das Diretrizes Federais de Pobreza para o tamanho da família do estrangeiro. Os funcionários consulares não podem considerar nenhuma renda proveniente de atividades ilegais, por exemplo, rendimentos de jogos ou vendas ilegais de drogas, ou qualquer renda derivada de qualquer benefício público, conforme definido em 22 CFR 40.41 (c);

 

  • O estrangeiro está autorizado a trabalhar e atualmente é empregado com uma renda anual de pelo menos 250% das Diretrizes Federais de Pobreza para o tamanho da família do estrangeiro. Os funcionários consulares não podem considerar nenhuma receita proveniente de atividades ilegais, como receitas de jogos ilegais ou vendas de drogas; e

 

  • O estrangeiro possui seguro de saúde privado (exceto o seguro de saúde obtido com créditos tributários premium de acordo com a Affordable Care Act) para uso nos Estados Unidos, cobrindo o período esperado de admissão.

 

 

Law Office of Witer DeSiqueira

Fonte: www.federalregister.gov

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.