TRIBUNAL APÓIA PROIBIÇÃO DE IMIGRAÇÃO DE TRUMP NO GREEN CARD

O juiz afirma que os autores não puderam demonstrar danos.


Publicado em 24 Maio 2020

Compartilhe:      

TRIBUNAL APÓIA PROIBIÇÃO DE IMIGRAÇÃO DE TRUMP NO GREEN CARD

O juiz federal em Washington, DC, Amit P. Mehta, recusou-se a bloquear a proibição de imigração do presidente Donald Trump, assinada em 22 de abril.

 

A decisão do presidente, que dura 60 dias, impede a emissão de residência permanente nos consulados e embaixadas dos EUA, uma decisão que afeta americanos que buscam patrocinar suas famílias e que ganharam uma das 50.000 proteções do visto de diversidade, também conhecido como "loteria de vistos".

 

O argumento do juiz Mehta é que cidadãos, residentes permanentes e solicitantes de green card que contestam a ordem não têm motivos para processar a proibição.

 

O juiz considerou que os advogados daqueles que contestaram a Proclamação do Presidente Trump, em resposta à perda de emprego nos Estados Unidos devido ao coronavírus, não apresentaram evidências de que seus casos de imigração haviam sido interrompidos como resultado dessa proibição.

 

"No momento, o tribunal só pode especular se as ações contestadas causaram ou estão iminentemente fazendo com que os solicitantes de visto familiares sofram algum atraso ... ou os solicitantes de visto de diversidade perdem a oportunidade de receber vistos". O juiz Mehta considerou.

 

Caso 1: 20-cv-00718, Jessica Nguyen, et al., V U.S. O Departamento de Segurança Interna, entre outros, inclui cinco cidadãos dos EUA, dois portadores de green card e cinco vencedores da "loteria de vistos".

 

O juiz também considerou que os demandantes não demonstraram que o bloqueio da ordem ajudaria a avançar seus casos, considerando que alguns motivos não estão diretamente relacionados à Proclamação, uma vez que os consulados suspenderam os serviços pessoa a pessoa, devido ao COVID-19.

 

Este é o segundo revés para aqueles que se opõem à medida, já que, no final de abril, o juiz federal do Distrito de Oregon, Michael H. Simon, rejeitou a moção de advogados de imigração que pediram para bloquear temporariamente a proibição, integrando o pedido a uma ação coletiva classificada sobre o requisito de seguro de saúde para portadores de green card.

 

Simon respondeu ao pedido da Associação Americana de Advogados de Imigração (AILA) e do Laboratório de Direito da Inovação de que seu pedido não estabelece um vínculo adequado entre as reivindicações subjacentes e a Proclamação do Presidente Trump.

 

Ativistas e defensores acusam esse movimento como o início de novas restrições à imigração, algo reconhecido pelo secretário de Segurança Interna, Chad Wolf, e pelo assessor de política de imigração da Casa Branca, Stephen Miller.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

Fonte: https://laopinion.com/

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.