UM ANO DESDE O ANÚNCIO DO FIM DO DACA, CHEIO DE DEMANDAS JUDICIAIS PARA TRUMP


Publicado em 06 Setembro 2018
La Opinión

Compartilhe:      

UM ANO DESDE O ANÚNCIO DO FIM DO DACA, CHEIO DE DEMANDAS JUDICIAIS PARA TRUMP

"Temos que apoiar os candidatos que querem os 'Dreamers' e que denunciam a separação das famílias e as ações imorais da ICE".

 

No ano que passou desde que o Governo Trump anunciou o fim sem sucesso do (DACA), a luta legal tem sido intensa e o movimento que luta para que o programa permaneça se fortaleceu e ampliou a outras causas de imigrantes, asseguram líderes "dreamers".

 

"Este ano amadurecemos e crescemos, aprendemos a levar a luta para os tribunais e a justiça tem estado do nosso lado, isso fortaleceu o movimento", diz Cesar Vargas, co-fundador da Dream Action Coalition.

 

Vargas destaca as quatro decisões dos juízes federais em favor dos sonhadores que argumentaram que a decisão do governo do presidente Donald Trump, anunciada em 5 de setembro de 2017, era ilegal.

 

A fim de rescindir a ação diferida para os que chegaram na infância com data de 05 de marco de 2018 durou apenas quatro meses e em janeiro passado Juiz William Alsup ordenou da Califórnia para o governo parar seus planos e aceitar pedidos de renovação ao avaliar cinco ações contra esta medida controversa.

 

O magistrado descreveu como "arbitrária e caprichosa" a determinação que Trump levou para acabar com o benefício que protege cerca de 690.000 jovens indocumentados que vieram para o país quando crianças.

 

Uma das queixas legais é encabeçada por seis sonhadores afetados.

 

A Mexicana Dulce García, uma advogada protegida pelo DACA que reside em San Diego faz parte do grupo e, como seus companheiros, não tem descansado para impedir que a legalização dos "dreamers" afete outros imigrantes, como pretende boa parte dos Republicanos

 

"Trump queria todo esse tempo para nos usar como ingresso político, mas ele não podia", explica García.

 

Para isso, solicitou ao Congresso uma saida legislativa para os "dreamers", embora existem uma linhas vermelhas demarcadas que os democratas dificilmente poderiam aceitar.

 

No entanto, nenhum projeto com essas demandas prosperou no Congresso.

 

Angelica Salas, diretora da Coalizão para os Direitos Humanos dos Imigrantes (CHIRLA), descreve o fechamento da DACA como um dos maiores erros de Trump.

 

O pedido de Aslup e uma decisão semelhante do juiz Nicholas Garaufis em Nova York pressionou o Congresso e o 5 de março se passou sem que um acordo fosse alcançado.

 

Em abril, o juiz John Bates, em Washington D.C., se juntou a seus colegas e até considerou abrir a porta para novos requerentes se beneficiarem, embora semanas depois ele tenha rejeitado a ideia.

 

Na semana passada, o movimento de defesa da DACA marcou outra vitória parcial depois que o juiz federal do Texas Andrew Hanen recusou o pedido de uma coalizão de sete estados para encerrar o programa "imediatamente".

 

Luis Cortes, um advogado de imigração protegido pelo protegido pelo programa em Seattle, adverte que toda a atenção é agora colocada na Suprema Corte, que certamente avaliará a questão nos próximos meses.

 

A possível confirmação do conservador Brett Kavanaugh para ocupar uma cadeira na Suprema Corte é mostrada como outro obstáculo que terá que superar esse movimento.

 

Vargas concorda com o Parlamento que, finalmente, a decisão da Suprema Corte poderia favorecer o governo, de modo que o objetivo atual é incentivar milhares de jovens para renovar enquanto puderem sua DACA e conseguir pelo menos dois anos de autorização de residência e de trabalho nos EUA.

 

Segundo dados da Imigração e Cidadania (USCIS) no último trimestre do ano fiscal 2018, que termina em 31 de setembro, o governo recebeu 26,749 pedidos de renovação, de um total de quase 188.000 anuais.

 

No ano fiscal de 2017, o número de pedidos de renovação da proteção DACA atingiu 472.850. Número que reflete a popularidade do programa e a necessidade de não perder a proteção, destaca Cortes.

 

Por sua parte, Vargas colocou suas esperanças nas próximas eleições de novembro, quando se espera que o trabalho dos "dreamers" pode pender a balança a favor da causa e aumentar a legalização com um caminho para a cidadania.

 

"Temos que apoiar os candidatos que querem os 'dreamers' e que denunciam a separação das famílias e as ações imorais do ICE", disse Vargas.

 

Em todo o país, hoje há eventos programados para lembrar que neste primeiro aniversário do anúncio do fim do programa DACA a luta continua.

 

Muitos esforços estão concentrados em áreas de fronteira, como San Diego, onde Garcia está liderando um protesto em defesa do programa e pedindo a abolição do Immigration and Customs Enforcement (ICE).

 

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

Fonte: laopion.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.


Fonte: La Opinión