OS DIPLOMADOS FOGEM DA CRISE

Fuga de talentos do Brasil aos EUA é a maior em 10 anos; saída de médicos tem "boom"


Publicado em 04 Julho 2021

Compartilhe:      

OS DIPLOMADOS FOGEM DA CRISE

Baixar Podcast

Em janeiro de 2016, a Revista Veja publicou uma matéria intitulada:

OS DIPLOMADOS FOGEM DA CRISE

https://timeni.com.br/index.php/2016/01/03/revista-veja-os-diplomados-fogem-da-crise/) nesta matéria o Witer DeSiqueira & Pessoni foi fonte de informação acerca do quanto os profissionais liberais estavam buscando alternativas de progresso pessoal e financeiro fora do Brasil, principalmente nos EUA.

De lá para cá, as crises no Brasil só se acentuaram, e em 2020, com o advento da pandemia como fator propulsor, houve um aumento considerável no número de profissionais buscando emigrar para os EUA, através de vistos de trabalho que levam ao Green Card, principalmente, pelo visto EB-2 NIW.

Este visto é voltado para profissionais qualificados que podem agregar valores aos EUA e, portanto, não exige um empregador como sponsor (responsável) pelo aplicante.

São inúmeras as categorias de profissionais que estão deixando o Brasil, principalmente engenheiros, médicos veterinários, odontólogos, administradores de empresa, advogados e, em grande número, profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, entre outros.

 

Em meio à maior crise sanitária do século, o Brasil tem testemunhado um boom na saída de profissionais de saúde para os Estados Unidos. A maioria vai em busca de valorização profissional, melhor remuneração e investimentos em pesquisas.

De acordo com o Portal Terra (www.terra.com.br), este índice é o maior em uma década e a permissão tem contemplado profissionais de saúde, que citam desgaste da pandemia e das condições de trabalho. 'País convida os bons profissionais a se retirarem', diz um médico.

Ainda de acordo com o Portal Terra, o relatório fiscal de 2020, os Estados Unidos registraram alta de 36% nos vistos de permanência concedidos a brasileiros em uma categoria específica, o EB-2, voltada para os chamados "profissionais excepcionais". Especialistas explicam que esse é o tipo mais comum requisitado por médicos, enfermeiros ou fisioterapeutas - mas a categoria também inclui outras áreas deficitárias nos Estados Unidos, como aviação ou engenharia.

 

Quase 2.000 "profissionais excepcionais" deixaram o País de forma definitiva no ano passado, o maior índice em pelo menos uma década. A estatística inclui tanto novos vistos concedidos quanto ajustes de status - ou seja, casos de pessoas que entraram no país com autorização de outra natureza, mas conseguiram trocar depois.

 

Esse aumento contrasta com a queda de 48%, praticamente um corte pela metade, nas emissões de vistos, em geral, pelo governo americano em 2020. Por causa da pandemia, os Estados Unidos suspenderam algumas atividades nos consulados, o que interrompeu parte dos processos.

 

Nosso escritório de advocacia especializado em imigração para os EUA, Witer DeSiqueira & Pessoni an International Law Corporation, que já em 2016 na matéria da Revista Veja, anunciava este êxodo em grande escala, percebeu nos anos subsequentes um crescimento gradual do percentual de propensos clientes que buscaram o escritório visando imigração, ser a maioria profissionais liberais ligados a área da saúde. A maioria busca além de uma melhor remuneração, melhores condições de trabalho e qualidade de vida para seus familiares.

 

Para exercer a profissão nos Estados Unidos, o imigrante também precisa validar o diploma e cumprir uma série de etapas burocráticas, mas que ao final, fazem valer a pena.

 

Tipos de Green Card embasados em trabalho (Employment Based):

  • EB1: Normalmente, é pleiteado por "trabalhadores extraordinários". No grupo estão profissionais de notoriedade, com reconhecimento nacional ou internacional, como escritores de best-seller, pesquisadores premiados ou palestrantes de sucesso.

 

  • EB2: Visto de residência permanente destinado a profissionais "excepcionais". Na categoria de segunda prioridade, entram trabalhadores com experiência "acima da média" ou de áreas deficitárias nos Estados Unidos.

 

  • EB2 NIW: Profissionais altamente qualificados de áreas onde haja grande demanda de mão-de-obra, dispensada a apresentação de um petitioner sponsor (empregador).

 

  • EB3: Voltado para profissionais com menos experiência. O processo depende de um empregador americano que aceite contratá-lo.

 

  • EB4: Categoria que atende imigrantes com enfoque em trabalhos religiosos.

 

  • EB5: Voltado para investidores, com geração de 10 empregos diretos.

 

Cada tipo de visto tem suas peculiaridades, é importante que o profissional interessado em imigrar para os EUA, busque a orientação de advogados profissionais especializados, para não correrem riscos, pois o custo de um processo de Green Card é relativamente oneroso e demorado. É importante o aplicante do visto estar ciente de todas as etapas do processo e estar preparado para seus custos.

 

Dr. Witer DeSiqueira

Advogado de Imigração para os EUA.

Witer DeSiqueira & Pessoni an International Law Corporation

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.