VISTO DE TURISMO RECUSADO - POSSO APLICAR NOVAMENTE?

Meu visto B1 / B2 expirou em 2007. Eu fui recusado em cerca de 4 ocasiões. O último sendo 2016. É seguro aplicar novamente agora?


Publicado em 03 Maio 2021

Compartilhe:      

VISTO DE TURISMO RECUSADO - POSSO APLICAR NOVAMENTE?


Baixar Podcast

Certamente, é seguro solicitar novamente um visto para os Estados Unidos. Mas, tendo sido recusado repetidamente, é improvável que você realmente receba um. A primeira coisa a se fazer antes de aplicar para um visto já tendo tido negativas anteriores é corrigir os fatores que levaram à estas negativas.

 

Se as razões foram a falta de vínculos com o Brasil, melhor fortalecer seus laços com o país através do trabalho, renda, estudos e família, antes da nova aplicação. Também pode ser muito importante se você persistir em se inscrever, mas não tiver um motivo real e concreto para visitar os Estados Unidos. Eventos familiares? Negócios empresariais? Turismo. Você deve ser muito assertivo nas razões de sua viagem, quando perguntado pelo agente, pois respostas evasivas levam a negativa. Não ter um bom plano de viagem faz o agente crer que sua intenção nos EUA não é a mesma que você colocou em sua aplicação.

 

Só querer ter um visto dos EUA não é um bom motivo para ter todos os problemas e despesas de solicitar um, nem é um bom motivo para um funcionário consular dos EUA emitir um para você. A lei exige que você seja considerado um potencial imigrante até e a menos que você possa convencer o oficial entrevistador de que não é. A responsabilidade é total e exclusivamente sua.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

Dra. Mara Pessoni, advogada.

OAB/GO – 61.550

Especialista em Comércio Exterior

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.