OS ESTADOS UNIDOS ESTÃO FICANDO SEM ENFERMEIRAS, VOCÊ SE QUALIFICA?

Notório é que nos últimos 40 anos sempre houve mais vagas do que pessoas para a área de enfermagem, mas agora será muito pior. Primeiro, por conta das novas políticas de imigração de Donald Trump. Segundo, porque não estão entrando nas faculdades novos estudantes suficientes para preencher estas vagas, os alunos preferem fazer faculdade de medicina a enfermagem. Terceiro, o índice de aposentadoria na área de enfermagem é muito alto.


Publicado em 19 Agosto 2017
Rota Jurídica

Compartilhe:      

OS ESTADOS UNIDOS ESTÃO FICANDO SEM ENFERMEIRAS, VOCÊ SE QUALIFICA?

Há pouco mais de um ano, o THE ATLANTIC JOURNAL trouxe a matéria alarmante de que nos próximos 05 anos mais de 1,2 milhões de vagas para enfermeira seriam abertas nos EUA e não se encontrariam pessoas para estas vagas.

Notório é que nos últimos 40 anos sempre houve mais vagas do que pessoas para a área de enfermagem, mas agora será muito pior. Primeiro, por conta das novas políticas de imigração de Donald Trump.  Segundo, porque não estão entrando nas faculdades novos estudantes suficientes para preencher estas vagas, os alunos preferem fazer faculdade de medicina a enfermagem.  Terceiro, o índice de aposentadoria na área de enfermagem é muito alto.

Assim, a demanda por enfermeiros/as vindo de outros países em 2015 foi igual a toda a demanda de 2009 a 2014.

As razões porque tem grande demanda na enfermagem:
1 – Demanda dos Baby Boomers.  A população que nasceu em 1946 a 1964 ficou velha ou de meia idade e assim demandam cuidados médicos e atenção 24 horas diárias.

2 – Idade dos/as enfermeiros/as.  Hoje existem cerca de 3 milhões de profissionais trabalhando e um terço destes tem mais de 50 anos e estão prontos para se aposentarem.

3 – Falta de Professores da profissão.  As instituições educacionais tem sido incapazes de atrair novos formadores de profissionais.  Com a falta dos mesmos menos alunos serão admitidos no futuro próximo.

4 – Localização.  Existe uma demanda de profissionais nas áreas rurais e nas pequenas cidades do interior do país e os presentes profissionais não querem se mover para estas áreas.

5 – Imigração.  O sistema imigratório muito burocrático tem causado longas esperas principalmente para as Filipinas, país que oferece a maioria dos profissionais de enfermagem para os EUA.

Há 10 anos o congresso aprovou o SPECIAL EX VISA para ocupações nas quais havia excessos de vagas e que não poderiam ser preenchidas localmente com profissionais vindo dos colleges Americanos.  Estas ocupações foram colocadas no Schedule A, o Labor Department vê que ao trazer estes profissionais para os EUA não causaria nenhum impacto negativo no mercado de trabalho.

Somente duas profissões estão no Schedule A: enfermeiras registradas (enfermeiras formadas) e terapistas (fisioterapeutas).

Isto por si só seria uma razão para que o programa de imigração desta categoria pudesse ser facilitado e integrado a realidade do mercado de trabalho.

Os profissionais interessados em aproveitar esta oportunidade devem se preparar e se programar para um processo longo e burocrático, além de buscar imediatamente um bom curso de inglês, pois, para a aprovação em todas as etapas do processo, inclusive na imigração, o certificado de fluência na língua inglesa (Toefl) é requisito fundamental.

O “american dream” ficou mais próximo para os profissionais da enfermagem brasileiros. O processo demora, em média 01 ano e meio, e os custos são fracionados neste período o que facilita o pagamento dos mesmos.

A realidade é que existem muitas vagas para você que é enfermeiro/a e deseja imigrar para os Estados Unidos.  Aproveite e fale com um advogado de imigração Americana.

Law Offices of Witer DeSiqueira

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

 

  •  


Fonte: Rota Jurídica