BIDEN FECHA ACORDO INTERNACIONAL PARA IMPEDIR QUE MIGRANTES CHEGUEM À FRONTEIRA COM OS EUA

Autoridades concordam com México, Honduras e Guatemala em aumentar a segurança para tentar evitar o aumento da migração na fronteira sul


Publicado em 18 Abril 2021

Compartilhe:      

BIDEN FECHA ACORDO INTERNACIONAL PARA IMPEDIR QUE MIGRANTES CHEGUEM À FRONTEIRA COM OS EUA

Baixar Podcast

O governo Biden chegou a um acordo com o México, Guatemala e Honduras para aumentar temporariamente a segurança da fronteira em um esforço para impedir que os migrantes cheguem à fronteira com os Estados Unidos.

 

O acordo foi firmado em um momento em que os EUA registraram um número recorde de crianças desacompanhadas tentando cruzar a fronteira em março, e o maior número de patrulhamento de fronteira em geral com migrantes na fronteira sul - pouco menos de 170.000 - desde março de 2001.

Segundo o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, o México manterá um destacamento de cerca de 10.000 soldados, enquanto a Guatemala enviou 1.500 policiais e militares para sua fronteira sul e Honduras destacou 7.000 policiais e militares para sua fronteira “para dispersar um grande contingente de migrantes” lá. A Guatemala também estabelecerá 12 postos de controle ao longo da rota migratória pelo país.

 

As forças de segurança em todos os três países têm sido frequentemente acusadas de usar violência excessiva contra migrantes, e alvejá-los por extorsão e roubo.

Uma autoridade da Casa Branca disse que Guatemala e Honduras estavam enviando tropas temporariamente em resposta a uma grande caravana de migrantes que estava sendo organizada no final de março. O governo mexicano anunciou um aumento na segurança e o envio de tropas em março.

Psaki disse que “o objetivo é dificultar o percurso e dificultar a travessia das fronteiras”.

Ela acrescentou que o acordo é fruto de “uma série de discussões bilaterais” entre autoridades dos Estados Unidos e governos de nações centro-americanas. O aumento de migrantes na fronteira está se tornando um dos maiores desafios que Biden enfrenta nos primeiros meses de seu primeiro mandato.

Os migrantes da América Central e do México estão fugindo da corrupção desenfreada, do crime organizado, bem como da fome causada pela queda nas safras e pelo impacto da mudança climática. O direito de pedir asilo está consagrado nas leis internacionais e dos Estados Unidos.

Os números aumentaram drasticamente durante o último ano de Trump no cargo, mas aceleraram ainda mais sob Biden, que rapidamente encerrou muitas das políticas de seu antecessor, incluindo uma que fazia os requerentes de asilo esperar no México por audiências nos tribunais dos Estados Unidos.

As tentativas anteriormente militarizadas de impedir o movimento na região não reduziram o número de pessoas que viajavam para o norte através do México, mas, em vez disso, forçaram os migrantes a tomar rotas mais arriscadas através de regiões remotas e os expuseram a um risco elevado de roubo, estupro, sequestro e morte.

Os mexicanos representavam a maior proporção de pessoas encontradas pela patrulha de fronteira dos Estados Unidos e quase todos eram adultos solteiros. As chegadas de pessoas de Honduras e da Guatemala foram em segundo e terceiro lugar, respectivamente, e mais da metade das pessoas desses países eram famílias ou crianças que viajavam sozinhas.

 

Law Offices of Witer DeSiqueira

Fonte: theguardiam.com

 

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.