Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation ®

+55 (62) 9 8584-2101 – [email protected]

Tennessee lidera o caminho na remoção de barreiras para Médicos Estrangeiros

Artigo publicado pelo CATO Institute, produzido por Jeffrey A. Singer.

Há muito tempo venho pedindo aos estados que tornem mais fácil para médicos licenciados e experientes em outros países atenderem pacientes neste país. Os estados exigem que esses médicos repitam todo o treinamento de residência em um programa de residência credenciado nos Estados Unidos – mesmo que tenham praticado com sucesso por anos em seus países de origem – e sejam aprovados no Exame de Licenciamento Médico padronizado dos EUA. Esses requisitos onerosos privam os residentes do estado de cuidados competentes de médicos experientes, muitos dos quais não conseguem encontrar posições de residência ou não podem pagar para começar tudo de novo. Muitos acabam trabalhando em outras áreas.

Durante a pandemia de COVID-19 , alguns estados – principalmente Nova Jersey – relaxaram temporariamente essas restrições para permitir que médicos estrangeiros ajudassem a melhorar o acesso aos cuidados médicos necessários. Em 2020, moderei um evento online discutindo como os estados podem e devem tornar permanentemente mais fácil para esses médicos cuidar de seus residentes.

Em uma  declaração para registro ao Subcomitê do Comitê Judiciário da Câmara sobre Imigração e Cidadania em fevereiro de 2022, recomendei que os legisladores estaduais reformassem suas leis para tornar mais fácil para médicos estrangeiros experientes cuidar de pacientes em seus estados. Muitos países oferecem licenças provisórias a médicos estrangeiros e, após um período de supervisão, concedem-lhes licenças irrestritas para o exercício da medicina.

Há finalmente algumas boas notícias nesta frente. Ontem, o governador do Tennessee, Bill Lee, assinou a lei HB 1312 . Essa nova lei concede licenças provisórias a graduados em medicina internacionais que tenham licenças completas em situação regular em outros países e sejam aprovados nos mesmos exames médicos padronizados pelos quais os graduados em medicina dos EUA devem passar. Após dois anos de supervisão por um médico licenciado no Tennessee, eles podem receber licenças irrestritas.

O Tennessee torna-se assim o primeiro estado a quebrar as barreiras que impedem os médicos estrangeiros de ajudar a lidar com o agravamento da escassez de médicos nos Estados Unidos. Ontem, o governador também sancionou um projeto de lei que permite que graduados em medicina que não se enquadraram nos programas de residência trabalhem como médicos assistentes.

A última sessão legislativa do Tennessee deu alguns bons passos para melhorar o acesso aos cuidados de saúde.

Jeffrey A. Singer é membro sênior do Cato Institute e trabalha no Departamento de Estudos de Políticas de Saúde. Ele é presidente emérito e fundador da Valley Surgical Clinics Ltd., o maior e mais antigo grupo de consultórios cirúrgicos privados no Arizona, e atua como cirurgião geral há mais de 35 anos.

Fonte: www.cato.org

Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *