Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation ®

+55 (62) 9 8584-2101 – [email protected]

Cuidado! Traficantes de pessoas se passam por agência de viagens nas redes sociais

Os vídeos enganosos de traficantes de pessoas que se promovem nas redes sociais como se fossem agências de viagens para entrar nos Estados Unidos. As organizações de contrabando de migrantes estão usando plataformas como TikTok e YouTube para promover seus serviços.

Enquanto caminham pelas águas pardas do Rio Grande, um pequeno grupo de migrantes sorridentes olha para o horizonte: o fim de sua perigosa jornada para os Estados Unidos está a poucos metros de distância.

No topo do vídeo está uma mensagem – “Atravessando o rio com segurança” – com a hashtag #SueñoAmericano. Escreva-me e enviarei mais informações. O vídeo é um entre centenas que circulam nas redes sociais, prometendo aos migrantes um novo começo nos Estados Unidos, de forma barata e sem complicações.

E embora pareçam inocentes e até amigáveis, os especialistas alertam que são enganosos.

“Eles estão oferecendo tráfico humano”, diz Ed Calderon, ex-policial mexicano especializado no mundo ilegal da fronteira. “E está lá ao ar livre.”

O advogado Witer DeSiqueira, especialista em imigração para os EUA dize que esses videoclipes – em plataformas como TikTok, YouTube e WhatsApp – são a face pública de uma indústria multibilionária altamente sofisticada. Aproveitando-se da confusão causada pelas mudanças nas políticas de imigração dos Estados Unidos, eles espalham desinformação e impulsionam a demanda por seus serviços.

Lei da oferta e da procura

Os negócios aumentaram depois que expirou em 11 de maio o chamado Title 42, política da presidência de Donald Trump que permitia aos EUA deportar pessoas rapidamente, sem audiências de asilo, com a justificativa da pandemia por coronavírus. A nova abordagem visa promover estradas legais, ao mesmo tempo em que impõe pesadas penalidades a quem cruza ilegalmente.

Agentes americanos dizem que, desde o fim do Título 42, as detenções de imigrantes caíram 70%, à medida que mais pessoas entram legalmente no país. No entanto, o fato de o número de prisões cair não significa que os lucros das organizações criminosas que ajudam os migrantes a atravessar ilegalmente também diminuam.

“É como o Natal para esses traficantes”, disse Calderón à BBC, acrescentando que há uma percepção entre muitos migrantes de que cruzar efetivamente a fronteira sem ser parado é mais difícil. “É tudo por causa da propaganda, que os ajuda a aumentar os preços.”

A posição de Calderón é a mesma de Adam Isacson, especialista em migração e fronteiras da organização de direitos humanos Washington Office on Latin America.

Isacston argumenta que a demanda pelos serviços dos traficantes certamente aumentou após o Título 42 “entre aqueles que desejam entrar nos Estados Unidos sem serem detectados”.

“Se os números caírem após uma mudança de política, os preços dos serviços de contrabando de migrantes sem dúvida aumentarão”, explica ele. Os vídeos divulgados nas redes sociais chegam de diversas formas e em alguns casos são pouco sutis.

Alguns são depoimentos de clientes aparentemente satisfeitos, supostamente falando de sites seguros ou das ruas de cidades americanas. “Aqui estamos na cidade de Nova York”, diz o narrador com sotaque venezuelano em um desses vídeos enquanto caminha por uma rua de Manhattan. “Gostaria de agradecer aos meus companheiros por me ajudarem a chegar aqui com segurança.”

O texto que acompanha o vídeo, de uma “agência de viagens”, pede a quem veja o seu caso que envie uma mensagem a pedir ajuda para chegar aos EUA sem visto. Outros mostram contrabandistas camuflados conduzindo grupos de migrantes por terrenos difíceis, ou usando escadas para cruzar facilmente barreiras de fronteira. Muitos prometem serviços porta-a-porta de partes distantes da América do Sul para destinos finais nos EUA.

Quase todos eles têm um número de telefone do WhatsApp ou prometem fornecer mais detalhes – incluindo preços e planos de pagamento – por mensagem privada. O sigilo intrínseco da indústria significa que não há estatísticas confiáveis ​​sobre quantos migrantes encontram seus traficantes nas redes ou quais postagens são reais.

Guadalupe Correa-Cabrera, professora associada da Universidade George Mason que investiga organizações de contrabando humano, diz que as redes permitem que os criminosos criem um “constante senso de urgência” entre os migrantes.Isso pode levar os migrantes direto para as mãos de contrabandistas, mesmo aqueles que não os contatam online.

“Os migrantes estão fora de sua zona de conforto e a jornada pode ser horrível. Há muitas coisas que podem ocorrer em sua psique também”, disse ele. “As redes de contrabando entendem isso e trabalham, organicamente, injetando desinformação para incentivar o medo e fazer com que os migrantes tentem alcançá-lo como podem.”

Vários preços

Especialistas dizem que os preços dos serviços podem variar muito e geralmente são definidos pelo que os traficantes acreditam que as pessoas podem pagar, adiantado ou em parcelas futuras. As autoridades americanas alertaram que os migrantes que não pagam são muitas vezes forçados a trabalhar para cartéis, muitas vezes como prostitutas, motoristas ou mulas. Outros são simplesmente sequestrados em enseadas até que todas as dívidas sejam pagas, ou suas famílias nos Estados Unidos ou de onde quer que venham sejam ameaçadas.

“É uma indústria enorme e uma indústria de cartel”, diz Calderón. “O contrabando de pessoas através da fronteira é um dos negócios que gera mais dinheiro no momento.”

Calderón estima que mesmo os pacotes mais básicos, que ele descreve como “vamos ver se chegamos lá”, começam em US$ 5.000 e US$ 8.000 para uma família de quatro pessoas partindo do México. Dr. Witer DeSiqueira, alerta que, quanto menor o valor pago ao traficante, maior o risco do migrante e sua família ser abandonado pelo caminho, ou se tornar uma presa fácil para o tráfico de drogas, para a prostituição e as crianças para a pedofilia e tráfico de órgãos, pois essas organizações atuam em diversas áreas como um conglomerado de “empresas”.

Se o migrante não paga o combinado, primeiramente é mantido em cárcere privado, e sua família é ameaçada para pagar o valor devido. Se não pagar, então este migrante é enviado para uma dessas “empresas” do crime organizado, de acordo com seu perfil. Por isso, há recorrentes casos de pessoas que desaparecem na travessia e de quem nunca mais se tem notícias.

Fontes das autoridades dos Estados Unidos e do México estimam que os preços típicos giram atualmente em torno de US$ 15.000, atingindo entre US$ 50.000 e US$ 60.000 para migrantes vindos de fora da América Latina. Mais uma vez, Dr. Witer DeSiqueira alerta que esses valores são, muitas vezes, superiores ao valor de um processo de imigração legal, onde toda a família (cônjuge e filhos menores de 21 anos), podem entrar nos EUA pelas portas da frente com um Green Card.

Desinformação baseada em negócios

A questão da desinformação nas redes sociais tem chamado cada vez mais a atenção das autoridades. Pouco antes do fim do Título 42, por exemplo, o secretário de Segurança Interna dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, advertiu potenciais migrantes contra cair em mentiras destinadas a “atrair pessoas vulneráveis ​​para a fronteira sul”.

Além disso, o Departamento de Segurança Interna lançou uma campanha “segmentada geograficamente” em plataformas sociais na América Central e do Sul. Os anúncios são projetados para atingir os migrantes em seus telefones celulares e direcioná-los para páginas operadas pelo governo que esclarecem fatos sobre as políticas de imigração dos EUA, bem como alertam sobre possíveis perigos.

Funcionários dos EUA disseram à BBC que os anúncios ainda estão sendo exibidos, mesmo após as recentes mudanças nas políticas.

Por seu lado, o TikTok disse que tinha uma posição de “tolerância zero” contra o tráfico de seres humanos e que tinha dedicado um “investimento significativo” à busca e remoção deste tipo de conteúdo, além do bloqueio permanente de contas que o promovem.

Os dois vídeos mencionados nesta história já foram removidos, sendo substituídos por outros com conteúdo semelhante em alguns momentos.

Alex Pacheco foi supervisor da Patrulha de Alfândega e Fronteira (CBP) dos EUA por mais de 20 anos e diz que os rumores online devem continuar a surgir, pois os contrabandistas estão prontos paraexplorar as ansiedades que os migrantes têm sobre o impacto que as notícias nacionais e políticas têm sobre o que acontece na fronteira.

Pacheco acredita queessa tendência se tornará ainda mais evidente à medida que os EUA se encaminham para as eleições presidenciais de 2024.

“Todo mundo sempre vai dizer que as pessoas têm que atravessar agora. Algumas pessoas diriam, por exemplo, que os preços iam subir se você não cruzasse antes do Título 42”, diz Pacheco. “Agora, com certeza vão falar que pode chegar um novo governo, que o presidente não vai ser o Joe Biden ou que a fronteira vai voltar a ser como era no governo anterior… tudo isso beneficia a organização criminosa.”

Dr. Witer DeSiqueira ressalta que há um grande número de vistos e Green Cards disponíveis anualmente, e que as pessoas que tencionam migrar para os EUA, devem buscar informações corretas, com advogados especialistas em imigração, que conhecem a fundo a legislação americana, antes de se aventurarem cair nas armadilhas de traficantes de pessoas, o que pode ser um caminho sem volta.

Witer, Pessoni & Moore an International Law Corporation

Dr. Witer DeSiqueira

Advogado

Colaboração: bbcnews.com

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *