Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation ®

+55 (62) 9 8584-2101 – [email protected]

Empresas da Fortune 500 com raízes imigrantes geraram mais dinheiro do que o PIB da maioria das nações ocidentais

Quando a revista Fortune divulgou a lista deste ano das 500 maiores empresas dos Estados Unidos – o icônico ranking das empresas americanas de maior faturamento no ano – uma constante em relação aos anos anteriores permaneceu inalterada: o papel significativo desempenhado por imigrantes e seus descendentes na criação de muitas das empresas mais bem-sucedidas e influentes do país.

De acordo com uma pesquisa do Conselho Americano de Imigração, quase metade das atuais empresas da Fortune 500 foram fundadas por imigrantes ou por seus filhos. Isso inclui quatro das 12 principais empresas da lista: a Apple, fundada pelo filho de um imigrante sírio; a Google (agora Alphabet), cofundada por um imigrante russo; a Amazon, fundada pelo filho de um imigrante cubano; e a Costco, fundada pelo filho de imigrantes canadenses cuja família emigrou da Romênia. Apenas essas quatro empresas registraram uma receita combinada de US$ 1,4 trilhão no ano fiscal de 2023, mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) de muitas nações ocidentais. Juntas, elas empregam quase 2,2 milhões de pessoas.

No total, 224 empresas da lista Fortune 500 de 2023, ou 44,8%, foram fundadas por “novos americanos”, que definimos como imigrantes ou filhos de imigrantes. Destas, 103 empresas foram fundadas ou co-fundadas por imigrantes, aqueles nascidos em outro país e que emigraram para os Estados Unidos, enquanto 121 empresas foram fundadas por filhos de imigrantes. Essas 224 novas empresas americanas registraram uma receita combinada de US$ 8,1 trilhões, um valor que ultrapassa o PIB de quase todas as nações, exceto Estados Unidos e China. Sua força de trabalho global totalizou 14,8 milhões de pessoas.

Essas novas empresas americanas não estão restritas apenas à tecnologia; abrangem diversas indústrias, como varejo, telecomunicações, finanças, farmacêutica, mídia, transporte, seguros, petróleo, construção civil, alimentos e bebidas, entre outras. Isso demonstra a diversidade e amplitude do impacto dos “novos americanos” na economia dos EUA.

Quando o Conselho começou a compilar sua lista anual das empresas da Fortune 500 fundadas por “novos americanos” em 2011, mais de 40% das empresas da Fortune 500 tinham sido fundadas por imigrantes ou seus filhos.

Algumas adições recentes à lista incluem a Coupang, uma empresa de comércio eletrônico incorporada em Delaware em 2010 por Bom Kim, um imigrante sul-coreano que emigrou para os Estados Unidos quando adolescente; a Moderna, uma empresa de biotecnologia sediada em Massachusetts, cujos co-fundadores incluem o filho de um imigrante chinês e imigrantes do Canadá e do Líbano; e a Commercial Metals, uma empresa siderúrgica com sede em Dallas fundada em 1915 como um pátio de reciclagem pelo imigrante russo Moses Feldman.

A lista da Fortune 500 também inclui corporações legadas que desempenharam papéis significativos na vida americana. Por exemplo, a Kohl’s, recentemente a maior varejista de lojas de departamento dos Estados Unidos, foi fundada em Wisconsin em 1962 por um imigrante polonês chamado Maxwell Kohl. Antes de abrir a Kohl’s, Maxwell havia trabalhado em fábricas na área de Milwaukee antes de abrir uma pequena mercearia.

A Estée Lauder, que lançou sua empresa de maquiagem e cuidados com a pele com seu marido Joseph em 1946, nasceu em Nova York, filha de imigrantes judeus húngaros. Ela começou a ajudar seu tio, um químico húngaro, a desenvolver e vender loções e cremes de beleza.

Essas histórias de sucesso de imigrantes são exemplos do progresso americano, lembrando-nos das diversas origens das corporações dos Estados Unidos.

Além disso, é importante notar que os imigrantes e seus descendentes também desempenham um papel fundamental na criação de empregos e no impulso à economia dos Estados Unidos através de médias e pequenas empresas, desde restaurantes locais até serviços profissionais. Dos empreendedores nos EUA, cerca de 3,2 milhões (21,7%) são imigrantes. Eles têm uma inclinação empreendedora superior à média dos nativos, o que é inestimável para a economia dos EUA, visto que a maioria do crescimento líquido do emprego no país provém de novas startups e empresas emergentes.

Fonte:  https://discuss.ilw.com/

Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *