Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation ®

+55 (62) 9 8584-2101 – [email protected]

Arbítrio de Singularidade – Quem tem o poder da decisão sobre a vida do indocumentado nos EUA?

Pode uma agente de imigração, um promotor de justiça de imigração ou um juiz salvar um não cidadão da deportação ou mesmo conceder o status legal usando Arbítrio de Singularidade?

A resposta curta é sim, todos esses atores podem desempenhar um papel na salvação de um não cidadão da deportação ou na concessão de status legal usando Arbítrio de Singularidade.

Agentes de imigração

Agentes de imigração são responsáveis por fazer cumprir as leis de imigração dos EUA. Eles podem tomar uma série de ações contra não cidadãos que não estão de acordo com a lei, incluindo deportação. No entanto, os agentes de imigração também têm arbítrio de Singularidade para determinar se devem ou não deportar um não cidadão.

Por exemplo, um agente de imigração pode decidir não deportar um não cidadão que tem filhos americanos. Isso ocorre porque a deportação de um pai ou mãe pode ter um impacto negativo significativo na vida dos filhos.

Promotores de justiça de imigração

Promotores de justiça de imigração são responsáveis por apresentar acusações criminais ou imigratórias contra não cidadãos que violaram as leis de imigração dos Estados Unidos. Eles também podem apresentar acusações civis contra não cidadãos que entraram ilegalmente no país ou que não se qualificam para permanecer nos EUA.

No entanto, promotores de justiça de imigração também têm Arbítrio de Singularidade para determinar se devem ou não apresentar acusações contra um não cidadão. Por exemplo, um promotor de justiça de imigração pode decidir não apresentar acusações contra um não cidadão que tem uma boa história criminal ou que está envolvido na comunidade.

Juízes

Juízes são responsáveis por decidir sobre casos de deportação e outros casos de imigração. Eles têm o Arbítrio de Singularidade de determinar se um não cidadão deve ou não ser deportado ou se deve ou não ser concedido status legal retroativo assim como agentes de imigração e Promotores de imigração.

Por exemplo, um juiz pode decidir não deportar um não cidadão que tem filhos americanos. Isso ocorre porque a deportação de um pai ou mãe pode ter um impacto negativo significativo nos filhos. Ou de um empresário que emprega muitas pessoas e sua deportação pode refletir no desemprego de vários trabalhadores.

Exemplos de como o Arbítrio de Singularidade pode ser utilizado para salvar um não cidadão da deportação ou conceder status legal incluem:

  • Um agente de imigração pode decidir não deportar um não cidadão que tem filhos americanos.
  • Um agente de imigração pode decidir retornar o status legal a qualquer solicitante que provar ser um bona fide case.
  • Um promotor de justiça de imigração pode decidir não apresentar acusações contra um não cidadão que tem uma boa história criminal ou que está envolvido na comunidade.
  • Um juiz pode decidir não deportar um não cidadão que tem filhos americanos.

No entanto, é importante ressaltar que o Arbítrio de Singularidade não é uma garantia de que um não cidadão será poupado da deportação ou que será concedido status legal. Em última análise, a decisão de deportar ou não um não cidadão ou de conceder ou não status legal a um não cidadão cabe ao agente de imigração, ao promotor de justiça de imigração ou ao juiz, conforme o caso.

Além disso, o Arbítrio de Singularidade pode variar de acordo com o agente de imigração.

Dr. Witer DeSiqueira

Witer, Pessoni & Moore an International Law Corporation

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *