Witer, Pessoni & Moore An International Law Corporation ®

+55 (62) 9 8584-2101 – [email protected]

Além de uma solução fronteiriça – Como construir um sistema de proteção humanitária que não quebre os EUA e atenda à enorme demanda migratória

Autora: Dra. Mara Pessoni (OAB/GO – 61.550)

Durante gerações, os Estados Unidos têm sido um local de refúgio seguro para pessoas que procuram liberdade e segurança. Em 1980, o Congresso aprovou a Lei dos Refugiados, codificando em lei as proteções básicas aos refugiados e consagrando um compromisso global com o asilo que emergiu da tragédia do Holocausto. Nas décadas desde então, foi concedido estatuto a centenas de milhares de refugiados e asilados, fortalecendo comunidades em todo o país, contribuindo economicamente e enriquecendo o tecido nacional.

Mas no século XXI, uma crise global de deslocamentos está a afetar quase todos os países do mundo. Múltiplas nações do Hemisfério Ocidental ficaram desestabilizadas devido a uma ampla variedade de fatores, incluindo o aumento do autoritarismo, os assassinatos políticos, as catástrofes naturais, as poderosas organizações criminosas transnacionais, as alterações climáticas e os choques socioeconómicos globais da pandemia da COVID-19. O resultado final é uma migração humanitária em níveis muito acima dos que o sistema do século XX consegue suportar.

As administrações presidenciais de ambos os partidos não conseguiram enfrentar este desafio. Em vez de uma abordagem ordenada, humana e consistente à proteção humanitária e à gestão das fronteiras, ficamos com um sistema disfuncional que não serve as necessidades de ninguém: nem do governo, das comunidades fronteiriças ou dos próprios requerentes de asilo.

Hoje, o governo dos EUA enfrenta um enorme desafio. O número de requerentes de asilo que procuram entrar todos os dias é significativamente superior ao número que os Estados Unidos podem processar nas passagens oficiais da fronteira. A localização e a forma de travessia variam amplamente ao longo da fronteira, mudando muitas vezes de forma imprevisível com base em informações erradas, rumores ou nas exigências de poderosas organizações criminosas transnacionais que mantêm o controlo sobre muitas das rotas de migração com o punho sangrento. O sistema corre constantemente o risco de estrangulamentos e superlotação, criando a percepção de caos na fronteira. E dentro dos Estados Unidos, o subfinanciamento, a negligência e a sabotagem deliberada deixaram o processo adjudicatório numa confusão.

A incapacidade de construir um sistema moderno e funcional de proteção humanitária estende-se a todo o processo de asilo. Existem atualmente mais de 1,3 milhões de pedidos de asilo pendentes, incluindo cerca de 750 mil nos tribunais de imigração e mais de 600 mil nos Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA (USCIS). O processo médio de asilo nos tribunais de imigração leva agora 4,25 anos desde o início até uma audiência final de asilo, deixando aqueles com reivindicações meritórias presos no limbo legal e aqueles cujas reivindicações são negadas enfrentam a perspectiva de deportação depois de já terem criado raízes nos Estados Unidos. Leis de décadas exigem que os requerentes de asilo esperem meses para obter autorização de trabalho, deixando as comunidades dentro dos Estados Unidos intervir e ajudar as pessoas a recuperarem-se.

Em vez de fazer um investimento sustentado na construção de um sistema melhor, as administrações presidenciais anteriores tentaram repetidas vezes utilizar políticas agressivas baseadas na fiscalização e na dissuasão, na esperança de reduzir o número de pessoas autorizadas a candidatar-se. O fracasso desta abordagem é manifesto: ninguém pensa que o problema foi resolvido ou mesmo atenuado. Para piorar a situação, as constantes mudanças na política devido a negociações internacionais, litígios federais e a discricionariedade dos agentes fronteiriços tornam virtualmente impossível articular qual é realmente a política atual em relação aos requerentes de asilo na fronteira sul.

Crucialmente, ainda há esperança. Restaurar os nossos sistemas de proteção humanitária e quebrar o ciclo de crises e repressões não só é possível, como também está ao nosso alcance. No entanto, para isso, precisamos de uma grande mudança no pensamento e na formulação de políticas. Os políticos devem abandonar a fantasia do solucionismo de curto prazo e reconhecer que só o investimento sustentado durante um período de tempo pode abordar de forma realista estes desafios do século XXI. Portanto, a ação a curto prazo deve centrar-se no estabelecimento de um caminho viável para um sistema melhor. A longo prazo, com investimentos significativos, podemos criar um processo de asilo flexível, ordenado e seguro.

A reconstrução de um sistema funcional não exige uma revisão radical da lei de imigração dos EUA. Nem levará à abertura de fronteiras. Mesmo que todas as recomendações deste relatório sejam implementadas, aqueles sem reivindicações meritórias ainda serão considerados inelegíveis para assistência e serão deportados. Mas levar essa realidade a sério também obriga o governo a acertar – e a garantir que ninguém seja deportado para um país onde será perseguido. A adesão ao Estado de direito significa que aqueles que procuram viver aqui concordam em cumprir as decisões do governo e, em troca, que o governo mantém o nosso compromisso de longa data de respeitar os direitos humanos e os acordos humanitários internacionais, bem como proporcionar um dia justo no tribunal para todos aqueles que o procuram.

A criação e o financiamento de um sistema de asilo flexível, ordenado e seguro reduzirá tanto as entradas irregulares como os resultados injustos. O investimento em infraestruturas dedicadas ao processamento humanitário na fronteira e nas comunidades receptoras reduzirá os encargos fiscais inesperados, limitará a pressão sobre os recursos de aplicação da lei e melhorará os direitos humanos. Além disso, um sistema de proteção humanitária isento de atrasos arbitrários e de resultados inconsistentes produzirá resultados mais justos e mais rápidos. Os requerentes de asilo com reivindicações meritórias terão maior probabilidade de prevalecer quando lhes for dada uma oportunidade significativa para as apresentar. Por outro lado, um processo de asilo justo, transparente e rápido pode reduzir os pedidos daqueles que não têm casos meritórios, e aqueles a quem são negados terão maior probabilidade de aceitar resultados negativos de um processo justo e transparente.

Um sistema de proteção humanitária moderno e revitalizado também atenuará a reação política ao conceito de asilo numa época de crescente sentimento anti-imigrantes. Embora o apoio global à concessão de asilo continue a situar-se acima dos 50 por cento, as cenas caóticas na fronteira diminuíram o apoio público ao asilo. E embora alguns críticos se oponham a quaisquer medidas que permitam a entrada de requerentes de asilo no país, o direito de procurar asilo é fundamental para o compromisso histórico deste país de acolher aqueles que fogem da perseguição e para a compreensão que a maioria dos americanos tem da sua nação como um líder global e moral. Afastar-se dos requerentes de asilo seria uma ruptura mais radical do que melhorar o sistema para os apoiar.

Para iniciar o trabalho de criação de um caminho viável para um sistema melhor, seria necessário seguir as seguintes recomendações:

RECOMENDAÇÕES

1 – Expandir a capacidade do Gabinete de Operações no Terreno da Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) para processar os requerentes de asilo nos portos de entrada de forma atempada, ordenada e justa, e divulgar esta via.

2 – Aumentar os recursos para a Patrulha de Fronteira dos EUA para melhorar o processamento humanitário e o transporte de migrantes, para reduzir a sobrelotação e os abusos, e para libertar os agentes para desempenharem outras funções de aplicação da lei.

3 – Estabelecer um Centro de Coordenação de Migrantes para coordenar os esforços federais, estaduais e locais para apoiar os migrantes recém-chegados e reduzir os impactos nas comunidades locais.

4 – Aumentar o apoio federal para alternativas de gestão de casos à detenção, para ajudar os migrantes a navegar no sistema de asilo.

5 – Renovar o processamento de asilo no USCIS para acompanhar os atrasos afirmativos de asilo e a nova regra de processamento de fronteiras.

6 – Começar a resolver os atrasos de asilo nos tribunais de imigração através do uso do poder discricionário do Ministério Público.

7 – Construir centros de processamento regionais sem custódia, onde as agências federais estejam co-localizadas com organizações não governamentais (ONGs) para realizar o processamento, coordenar a libertação e fornecer uma gestão eficaz de casos para migrantes recém-chegados.

8 – Preparar e rescindir o Título 42 assim que for legalmente permitido, permitindo o retorno à lei normal de imigração.

9 – Financiar o direito a um advogado no tribunal de imigração para garantir um processo justo para os indivíduos que procuram asilo.

10 – Criar um Fundo de Migração de Emergência baseado na Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) para fornecer uma resposta flexível e duradoura durante períodos de alta migração.

11 – Aumentar as vias de imigração legal através da revisão das leis de imigração pelo Congresso e da expansão executiva das vias existentes.

12 – Construir capacidade nacional e internacional de processamento de refugiados e asilo na América Latina com o apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e da comunidade internacional.

13 – Trazer a lei de asilo para o século XXI, levantando leis anti-imigração prejudiciais aprovadas na década de 1990 e ultrapassando um quadro pós-Segunda Guerra Mundial para o asilo.

Através destas recomendações, acreditamos que o governo dos Estados Unidos pode criar um sistema de processamento de asilo que seja flexível, ordenado e durável, respeite os direitos dos requerentes de asilo, inspire confiança no público americano e garanta que os Estados Unidos continuem a ser um farol de segurança. Um tal sistema não só garantirá que os Estados Unidos cumpram as suas promessas, mas também garantirá uma maior estabilidade em toda a América Latina, reduzindo o poder das gangues e cartéis e promovendo os direitos humanos em toda a região. Este é sem dúvida um enorme desafio. Não há solução perfeita. Isso exigirá compromissos. Contudo, a última década de políticas de dissuasão desumanas e falhadas mostrou-nos que não há alternativa real. Só através do reforço do acesso significativo à proteção humanitária poderemos avançar em direção a um futuro mais justo, humano e equitativo. Esta é a única forma de garantir que tanto os migrantes como os Estados Unidos permaneçam seguros e livres.

Witer Pessoni & Moore an International Law Corporation

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *